Tecnologia: Tecnologia da Unicamp é campeã da Open Innovation Week

Universidade também conquistou a segunda e terceira colocação no ranking de Open Techs

 

Desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, a tecnologia que possibilita o controle molecular de pragas agrícolas através de silenciamento gênico por RNAi foi a grande vencedora da categoria Open Techs, premiação realizada durante o Open Innovation Week 2018.

 

 

 

 

Com foco na conexão entre os interesses das empresas e as soluções desenvolvidas nas universidades, a iniciativa é realizada pelo Movimento 100 Open Startups e proporciona às empresas participantes encontrarem a melhor solução para seus desafios.

 

 

 

 

“Eu fiquei muito satisfeito com a premiação. Ela mostra que a tecnologia é reconhecida por grandes empresas como algo de valor. O evento proporcionou um casamento perfeito entre o solo fértil, que é a Unicamp, e a semente, que são as grandes empresas”, aponta o professor Henrique Marques-Souza, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia vencedora. O docente acredita que, com a premiação, novas empresas busquem a Inova Unicamp para realizar a transferência do método desenvolvido por ele.

 

 

 

 

O novo método vai de encontro com um dos maiores desafios na produção de alimentos no mundo, que é combater as perdas agrícolas causadas por pragas e doenças. Este controle é feito, atualmente, por meio do uso de defensivos agrícolas, que podem ser tóxicos ao meio ambiente e aos consumidores. Entretanto, um dos principais diferenciais da tecnologia desenvolvida na Unicamp é o fato de não ser necessário o uso de defensivos agrícolas.

 

 

 

 

“Não é um produto químico, mas um produto biológico. Apesar de serem produzidas no laboratório, elas são análogas à moléculas de RNA presentes no ambiente”, destaca o docente. Em 2016, a empresa TMG efetuou o licenciamento do método, em caráter não exclusivo. Confira a reportagem completa aqui.

 

 

 

Outras duas tecnologias da Unicamp marcaram presença no ranking das melhores tecnologias no Oi Week, de acordo com as empresas participantes, e conquistaram o segundo e terceiro lugar.

 

 

 

São elas, respectivamente, o “Processo para obtenção de nanopartículas lipídicas sólidas incorporando praziquantel”, desenvolvido pela professora Silmara Marques Allegretti, do IB, e “Composição eficaz como auxiliar no tratamento de distúrbios metabólicos e na obesidade”, desenvolvido pelo professor Mario Roberto Maróstica Júnior, da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA).

 

 

 

 

Ambas são inovações na área farmacêutica, já têm pedido de patente depositado junto ao INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e estão disponíveis para licenciamento.

 

 

 

A seleção das tecnologias participantes nesta edição do evento se deu a partir de cadastro na plataforma Open Techs. Com o uso da ferramenta, foi possível fazer o cruzamento entre as empresas e as soluções tecnológicas.

 

 

 

 

A Unicamp esteve no evento com 146 Open Techs submetidas. A escolha das três tecnologias vencedoras mostra que a Unicamp tem trabalhado em sinergia com as empresas, buscando desenvolver soluções que atendam especificamente as demandas encontradas por profissionais que estão “do outro lado da bancada”.

 

 

 

Por esse motivo, o professor Newton Frateschi, diretor-executivo da Inova Unicamp, acredita que a participação na Open Innovation Week é importante para dar visibilidade às tecnologias desenvolvidas na Unicamp, servindo como uma ponte para leva-las ao mercado. Ele destaca ainda que ambientes como esse são importantes para unir os elos do ecossistema empreendedor.

 

 

 

 

“Nós precisamos de formas mais inteligentes e proativas para gerar a interlocução entre a demanda e oferta de tecnologia. A experiência no Open Techs é um exemplo de como fazer isso com sucesso, pois reúne as grandes empresas, as start-ups e as instituições de ciência e tecnologias”, comenta Frateschi.

 

 

 

Ele recorda que um piloto da iniciativa foi lançado durante o InovaCampinas, realizado em outubro de 2017. Na ocasião, foram promovidas 162 reuniões entre empresas, start-ups, e pesquisadores.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes do Portal do Governo do Estado de São Paulo.