Tecnologia – Educação: Aplicativo desenvolvido na USP ajuda a treinar fala de crianças com Down

O SofiaFala é um sistema que capta sons e imagens produzidos durante a execução do exercício fonoaudiológico e depois os analisa, oferecendo respostas sobre a performance do usuário – Foto: Reprodução / SofiaFala
O SofiaFala é um sistema que capta sons e imagens produzidos durante a execução do exercício fonoaudiológico e depois os analisa, oferecendo respostas sobre a performance do usuário – Foto: Reprodução / SofiaFala

 

 

 

(Jornal da USP) – Um aplicativo saído dos laboratórios do Departamento de Computação e Matemática, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, treina fala de pessoas com síndrome de Down. Trata-se do SofiaFala, sistema inteligente, interativo e gratuito que roda em celulares e tablets com Android (por enquanto) e aproxima pais, fonoaudiólogos e pacientes por meio de aprendizado de máquina e da inteligência artificial.

 

 

A novidade é uma tecnologia assistiva que pretende melhorar a qualidade de vida de pessoas com dificuldades de fala. O sistema capta sons e imagens produzidos durante a execução do exercício fonoaudiológico e depois os analisa, oferecendo dois tipos de respostas sobre a performance da criança: uma lúdico-educacional, com orientações para o paciente e para o responsável pelo treino; outra, com dados métricos e estatísticos para o fonoaudiólogo avaliar, acompanhar e orientar a evolução clínica da criança.

 

 

 

 

Especialista em sistemas de computação e uma das coordenadoras do projeto SofiaFala, Alessandra Alaniz Macedo, professora da FFCLRP, adianta que um protótipo do aplicativo já está em fase de testes por usuários da ONG RibDown-RP, do Centro Integrado de Reabilitação do Hospital Estadual de Ribeirão Preto (CIR-HE) e de clínicas particulares.

 

 

 

 

A professora comenta que, por ser de fácil operação, o SofiaFala pode ser utilizado pelas pessoas em suas próprias residências, seja com supervisão dos pais ou até mesmo sozinhas.

 

 

 

 

À medida que ela repete movimentos e sons – um beijo, um estalo de língua ou um sopro – e até mesmo quando articula uma palavra ou uma frase, o aplicativo manipula a informação e compara com um modelo adequado de produção desses sons. Em caso de dúvidas, a criança ou o tutor pode acessar imagens, vídeos e sons de orientação com um simples toque.”

 

 

 

Enquanto os algoritmos inteligentes do SofiaFala respondem – reconhecendo e analisando os sons e imagens – sobre performance e adequação dessa criança ao desempenho do exercício, o profissional que a acompanha também é abastecido pelas informações do aplicativo. Sobre a interface de máquina (smartphone), “o sistema é flexível e permite a criação de treinos que se adaptem às características do usuário (paciente), conforme o tratamento evolui”, diz a especialista.

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes e reproduzidas  do Jornal da USP