Saúde: Pesquisas mostram a quantidade de agrotóxico presente em alimentos

Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico - Foto: Instituto Biológico / Divulgação/ Instituto Biológico
Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico – Foto: Instituto Biológico / Divulgação/ Instituto Biológico

 

 

O objetivo é detectar o volume de defensivos agrícolas em cada cultura

 

 

Garantir a chegada de alimentos mais saudáveis à mesa da família paulista. Essa é a meta das pesquisas feitas pelo Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

 

 

 
Durante as análises, o alimento passa por quatro diferentes salas para verificar se os níveis de produtos químicos estão de acordo com os estabelecidos pela lei. E claro, se são seguros para estar no prato das pessoas.

 

 

 

 
Com o uso de um software, que detecta os defensivos no alimento e aqueles autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as informações são enviadas para um computador. Este, por sua vez, projeta um gráfico mostrando as variedades de produtos químicos presentes.

 

 

 

 
“Para a população, isso significa poder comer um alimento de forma mais segura, porque você vai ter uma variação da presença de resíduos nos alimentos, mas em níveis que são aceitáveis pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, explicou Antonio Batista Filho, diretor do Instituto Biológico.

 

 

 
Certificação

 

 

 

 
O Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico é certificado pela Norma 17025 do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), com reconhecimento internacional de qualidade de seus serviços. As empresas interessadas em terem seus produtos analisados enviam uma amostra do alimento, que não pode conter caroços, galhos ou folhas, por exemplo.

 

 

 

 
Fonte: Da Redação com informações provenientes de Agências e do Governo de São Paulo