Saúde: Às vésperas do Dia Mundial da Malária, ONU pede mais investimentos para erradicar a doença

O uso de redes é um método eficaz de proteção contra o mosquito da malária. Na foto, um bebê com sua mãe em Gana. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel
O uso de redes é um método eficaz de proteção contra o mosquito da malária. Na foto, um bebê com sua mãe em Gana. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

 

 

Apesar dos avanços na luta contra a malária, mais investimentos para o controle da doença e o alcance das metas de erradicação da doença devem ser prioridade para garantir o futuro da agenda pós-2015. Estima-se que graças aos investimentos dos últimos anos, mais de 4 milhões de mortes relacionadas à malária foram prevenidas, 97% de crianças com menos de cinco anos.

 

Um evento, nesta segunda-feira (20), na sede das Nações Unidas em Nova York, reuniu especialistas sobre a questão que confirmaram que 64 de 97 países se encontram no caminho para alcançar a meta determinadas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). A meta 3, do sexto ODM prevê deter a incidência da malária e inverter a tendência atual até o final de 2015.

 

 

 

“Uma nova geração tem agora a chance de crescer e contribuir para a sociedade graças a este trabalho realizado”, disse o vice-secretário-geral da ONU, Jan Eliasson. “A luta contra a malária é, de fato, um dos investimentos com melhor custo benefício do nosso tempo. Não podemos nos permitir parar de investir agora.”

 

 

 

O encontro acontece na véspera da comemoração do Dia Mundial da Malária, celebrado em 25 de abril, oportunidade em que a ONU destacará a importância de investir outros 100 bilhões de dólares na erradicação da doença até 2030.

 

Ciclo da Malária
Ciclo da Malária

 

Da Redação com informações da ONU