Política: Líder do governo pede apoio da base aliada para votar MP do seguro-desemprego

Para Dieese, 2 milhões de trabalhadores perderão direito a seguro-desemprego após MP
Para Dieese, 2 milhões de trabalhadores perderão direito a seguro-desemprego após MP

 

 

 

O líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), disse há pouco que o governo quer garantir a votação da Medida Provisória 665/14, que muda as regras de concessão do seguro-desemprego, do abono salarial e do seguro-defeso para o pescador profissional. A MP faz parte do pacote de ajuste fiscal divulgado pela presidente Dilma Rousseff no fim do ano passado. O debate sobre o texto começou na terça-feira (5).

 

“O governo quer votar a matéria, o governo quer colocar suas digitais. Essa medida provisória aperfeiçoa os direitos dos trabalhadores brasileiros e garante a sustentabilidade desses direitos.” Ele pediu o apoio dos parlamentares da base aliada para votarem o texto.

 

 

 

Na noite de terça-feira (5), ao final da sessão, o líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), disse que o partido não votará a medida sem compreender melhor a posição do PT sobre o texto. “Não votaremos a MP 665 amanhã [quarta-feira], não mais, até que o PT nos explique o que quer. Se for o caso, feche questão para votação das matérias do ajuste fiscal. Se não for assim, não contem conosco. Se há dúvidas e se o País não precisa desse remédio amargo, não vamos empurrar essa conta no trabalhador.”

 

 

A fala de Picciani foi feita depois que parlamentares do PMDB o procuraram por terem ficado “desconfortáveis” em apoiar a medida após a propaganda partidária do PT na noite desta terça. Em vídeo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a proposta para regulamentar a terceirização (PL 4330/04), aprovada pela Câmara em 22 de março, seria um retrocesso para o trabalhador brasileiro.

 

 

 

O líder do PT, deputado Sibá Machado (AC), reforçou a posição do partido de apoio integral às medidas provisórias do ajuste fiscal. “A posição de nossa bancada fecha questão de apoio integral à votação das medidas provisórias 664/14 e 665/14”, disse. Segundo ele, o PT fechou a questão e pede o apoio das bancadas da base aliada para votar ainda hoje a MP 665. “É no entendimento que fazemos as coisas mais positivas.” Ele falou que o partido emitirá uma nota oficial em defesa das medidas do ajuste do governo.

 

 

O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), disse que o posicionamento de Sibá Machado foi adequado. “Isso nos dá o conforto que o PMDB solicitava na noite de ontem”, disse.

 

 

Mais cedo, o Plenário aprovou requerimento para votação nominal do pedido de retirada de pauta da medida provisória.

 

 

 

Da Redação com informações da Agência Câmara Notícias