Nacional – São Paulo: Prefeitura de São Paulo inicia pesquisa inédita sobre circulação de cargas na cidade

Origem e Destino de Cargas na cidade de São Paulo - FABIO ARANTES/SECOM
Origem e Destino de Cargas na cidade de São Paulo – FABIO ARANTES/SECOM

 

 

Uma pesquisa inédita irá mapear a circulação de cargas pela cidade de São Paulo para melhorar a logística e a qualidade de vida na cidade. O estudo Origem e Destino de Cargas irá levantar dados junto a empresas de serviços, indústria, comércio, construção e coleta de resíduos e será financiado pelo Banco Mundial (BIRD). O projeto está vinculado à política pública de reorganização do espaço viário e de melhoria da mobilidade urbana.

 

 

“A pesquisa é necessária para que nós possamos tomar medidas para atender as necessidades do setor e da cidade. Na pesquisa teremos sigilo absoluto, queremos saber da circulação para ver a melhor forma de abastecer a cidade e a melhor maneira de os caminhões passarem ou não passarem pelo centro”, afirmou o secretário Jilmar Tatto (Transportes).

 

 

 

 

As informações serão levantadas por meio de questionários que poderão ser respondidos pelas empresas entre junho e setembro. O objetivo é conseguir pelo menos 3.050 questionários válidos, de empresas grandes, médias e pequenas. As perguntas do estudo foram desenvolvidas em diálogo com associações, sindicatos e empresários do setor, e haverá confidencialidade tanto das informações coletadas como da identidade das empresas participantes.

 

 

 

 

Entre os dados estão sazonalidades de cada setor, os efeitos das medidas de restrição de circulação de caminhões, as características da carga transportada, os veículos envolvidos nesse transporte, locais de origem e destino e matrizes de viagens.

 

 

 

 

“Este é um projeto com visão de Estado. O primeiro passo para uma solução é o conhecimento do problema, e é isso que essa pesquisa muito complexa vai fazer. O que for realizado aqui certamente será replicado em outros países emergentes”, afirmou Bernardo Alvim, do Banco Mundial. O BIRD financia o estudo com US$ 2,1 milhões, por meio do Programa Sustainable Transport And Air Quality (STAQ).

 

 

 

 

Ao fim do estudo será possível desenvolver ações para melhorar a logística urbana, a dispersão de poluentes no ar, além de otimizar a localização de equipamentos para o setor, como por exemplo terminais de carga. “Para fazer um plano de mobilidade urbana é fundamental que conheça a movimentação das pessoas, mas a movimentação de cargas é essencial para a cidade. A gente esquece que a cidade só existe e se movimenta em função das necessidades das pessoas por consumo e serviços. Então as cargas também são fundamentais para este plano”, afirmou Luís Mantovani, da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), que oferece apoio técnico à pesquisa.

 

 

 

Para o secretário Tatto, os dados também ajudarão a avaliar ações em curso como a entrega noturna, que será ampliada. Esse processo será liderado por um novo departamento na pasta dedicado ao transporte de cargas, um órgão colegiado com participação do setor. Entre as questões em discussão estão as regras da Zona de Restrição Máxima de Circulação (ZRMC) e a definição do tamanho dos caminhões permitidos no centro expandido.

 

 

 

 

A coleta de informações para a pesquisa poderá ser realizada pessoalmente, por telefone e por autopreenchimento, pela internet. Mais informações para as empresas estão disponíveis na página da Companhia de Engenharia de Tráfego. A pesquisa tem o suporte de um consórcio internacional formado pelas empresas Cambridge Systematics Inc., Consultores em Transportes Inovação Sistema S.A. – TIS Portugal e a sua filial brasileira, TIS.br.

 

 

 

 
Fonte: Da Redação com informações provenientes de Agências de Notícias Nacionais e da Secretaria Executiva de Comunicação