FIES 2015: Ministério Público Federal do Pará recomendou a instituições de ensino superior que aluno que não conseguir Fies tem direito a cursar o semestre sem punições

Fies
Fies

 

 

Recomendação foi enviada nesta terça-feira a nove instituições de ensino superior da região metropolitana de Belém


O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA), a Defensoria Pública da União (DPU) no Pará e a Defensoria Pública do Estado do Pará (DPE) encaminharam recomendação a nove instituições de ensino superior da região metropolitana de Belém para que as faculdades não expulsem os alunos que eventualmente não consigam adesão ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante o primeiro semestre de 2015.

 

 

A notificação foi enviada nesta terça-feira, 28 de abril, e estabelece prazo de 48 horas para que as instituições de ensino tomem as providências recomendadas. O prazo começa a contar a partir do recebimento da recomendação.

 

 

 

Segundo a legislação, são proibidas a suspensão de provas escolares, a retenção de documentos ou a aplicação de quaisquer outras penalidades pedagógicas por motivo de inadimplemento das mensalidades. O desligamento do aluno por inadimplência somente poderá ocorrer ao final do semestre letivo.

 

 

A recomendação foi encaminhada para as seguintes instituições: Escola Superior da Amazônia (Esamaz), Escola Superior Madre Celeste (Esmac), Faculdade de Belém (Fabel), Faculdade do Pará (FAP)/ Estácio de Sá, Faculdade Integrada Brasil Amazônia (Fibra), Faculdade Maurício de Nassau, Faculdade Metropolitana da Amazônia (Famaz), Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (Iesam) e Universidade da Amazônia (Unama).

 

 

De acordo com denúncias dos alunos ao MPF/PA, DPU e DPE, falhas de estabilidade e erros no sistema informatizado do Fies têm impedido os estudantes de realizar suas inscrições e conseguir a adesão ao programa de financiamento.

 

 

 

Frequência regular – A procuradora regional dos Direitos do Cidadão no Pará, Melina Alves Tostes, o defensor público federal Cláudio Luiz dos Santos, o defensor público do Estado Johny Fernandes Giffoni e o defensor público Arnoldo Peres, coordenador do Núcleo de Defesa do Consumidor da DPE, recomendam que as faculdades assegurem aos alunos o direito de frequentar o semestre regularmente.

 

 

 

Os alunos devem poder figurar nas listas de frequência, realizar avaliações, provas e testes, e, ao final do semestre, devem ter acesso ao histórico e a outros documentos acadêmicos, independentemente de estar em dívida com a faculdade, e sem o pagamento de quaisquer taxas, mensalidades ou multas, diz a recomendação.

 

 

 

O MPF/PA, DPU e DPE recomendam que a cobrança de mensalidades dos alunos que tentaram mas não conseguiram inscrição no Fies só seja feita judicialmente, sem a inclusão dos alunos em cadastros de inadimplentes ou de proteção ao crédito ou, ainda, sem realização de protesto extrajudicial.

 

 

 

Excepcionalmente, eventuais juros e multas somente podem ser cobrados em referência às parcelas com vencimento posterior a 28 de maio deste ano, de acordo com portaria do Ministério da Educação.

 

 

Íntegra da recomendação

 

 

 

Da Redação com informações do Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação