Economia: Vendas de material de construção aumentam em março

Setor de construção civil estima que haverá 500 mil demissões este ano
Vendas de material de construção aumentam em março

 

 

As vendas de material de construção no varejo brasileiro aumentaram 10% em março, na comparação com fevereiro. No comparativo com março do ano passado, houve aumento de 12%, de acordo com pesquisa mensal da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), que entrevistou 530 lojistas entre 28 e 31 de março. No primeiro trimestre do ano, o setor apresentou crescimento de 4% sobre o mesmo período de 2016.

 

 

 

 

 

“Nos últimos 12 meses, o desempenho é negativo em 5%, mas os resultados vêm indicando que estamos iniciando uma recuperação, depois de dois anos superdifíceis, o que nos dá a certeza de que estamos no caminho certo para retomar o crescimento”, disse o presidente da Anamaco, Cláudio Conz.

 

 

 

 

 

A pesquisa também mostrou que todas as regiões do país tiveram crescimento nas vendas de material de construção. Segundo Conz, o fim do período de matrículas escolares e de pagamento de impostos permitiu que as pessoas voltassem a pensar em reformas na casa.

 

 

 

 

Cartão Reforma

 

 

 

 

“Além disso, a previsão é que, agora em abril, saia o primeiro edital do Cartão Reforma, de R$ 100 milhões, iniciando em maio a distribuição na primeira cidade, que será Caruaru, em Pernambuco. Depois disso, será um edital por mês, até atingir o teto de R$ 1 bilhão este ano. Isso deve ter um impacto muito positivo no nosso setor, e a nossa previsão é de fechar o ano com crescimento de 5% sobre o ano passado, recuperando as perdas de 2016”, disse Conz.

 

 

 

 

Segundo a pesquisa, mesmo com os números de março, o otimismo do setor em relação ao governo caiu, passando de 54% para 45%. O levantamento indica que 37% dos entrevistados pretendem investir este ano. Já a intenção de contratar novos funcionários no mês de maio diminuiu de 16% para 13%.

 

 

 

 

Os lojistas acreditam também que o setor pode ter queda neste mês. “Março foi um mês com muito mais dias úteis do que fevereiro e, como fevereiro sempre é um mês muito ruim, a probabilidade é de termos um desempenho mais discreto no mês que se inicia”, afirmou Conz.

 

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da Agência Brasil