Economia: Exportação de veículos é recorde para o Mês de Março.

Exportação de veículos é recorde para o Mês de Março.

 

 

No primeiro trimestre, indústria brasileira exportou 172,7 mil veículos, o maior resultado da sua história. Março também teve resultado recorde, com 68,5 mil unidades exportadas.

 

 

 

 

 

O volume de exportação de veículos foi recorde no primeiro trimestre, segundo dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) na quinta-feira (06). Os embarques cresceram 69,7% em volume de janeiro a março, comparado com os primeiros três meses de 2016, somando 172,7 mil veículos.

 

 

 

 

 

Março foi também o melhor mês da história em volume de embarques para a indústria automotiva nacional, com 68,5 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e chassis de ônibus embarcados, um crescimento de 64,6% sobre o mesmo mês do ano passado e de 3,3% sobre o volume de fevereiro.

 

 

 

 

 

Em receita, as exportações da indústria automotiva brasileira cresceram 51,5% no primeiro trimestre. De janeiro a março o setor faturou US$ 3,3 bilhões com as vendas externas, contra US$ 2,2 bilhões no mesmo período de 2016.

 

 

 

 

 

Em março as receitas com os embarques somaram US$ 1,330 bilhão, um avanço de 57,4% sobre o resultado de igual mês do ano passado e de 11,3% com relação a fevereiro.

 

 

 

 

 

São as exportações que puxam o crescimento da produção brasileira de veículos. No trimestre, saíram das fábricas 609,8 mil unidades, volume 24% superior aos primeiros três meses de 2016. Em março a produção alcançou 234,7 mil veículos, alta de 18,1% sobre o mesmo mês do ao passado e de 17,1% na comparação com fevereiro.

 

 

 

 

Foi o melhor mês de produção desde março de 2015.

 

 

 

 

 

O mercado doméstico esboçou uma reação no mês passado, quando foram licenciados 189,1 mil veículos, 5,5% acima de março de 2016 e 39,4% a mais do que em fevereiro. Mas no trimestre o saldo segue negativo: os emplacamentos alcançaram 472 mil unidades, queda de 1,9% em relação aos primeiros três meses do ano passado.

 

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da ANBA