CPI da Petrobras: Onze pessoas devem ser ouvidas na próxima semana pela CPI da Petrobras

Petrobras
Petrobras

 

 
A CPI da Petrobras vai ouvir os depoimentos de onze pessoas em três dias. Foram convocados para depor na terça, quarta e quinta-feira executivos e funcionários de empreiteiras acusadas de formação de cartel e pagamento de propina para diretores da Petrobras ou partidos políticos.

 

 

Na terça-feira serão ouvidos dois executivos da Camargo Correa e um da OAS. Os da Camargo Correa são João Ricardo Auler e Eduardo Hermelino Leite.

 

 

 

 

Auler chegou a ser preso pela Operação Lava Jato. E Leite é apontado como a pessoa que fazia a ligação entre a empresa e diretores da Petrobras e partidos políticos. Outro executivo da Camargo Correa, Dalton Avancini, confirmou à CPI que a empreiteira pagou R$ 110 milhões em propina ao PT e ao Partido Progressista.

 

 

 

 

Também na terça será ouvido José Adelmário Pinheiro Filho, presidente da Construtora OAS.

 

 

 

Pinheiro Filho foi denunciado pelo Ministério Público por lavagem de dinheiro e corrupção. A OAS é acusada de pagar propina ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o Ministério Público quer que a empresa devolva aos cofres públicos quase R$ 1 bilhão.

 

 

 

Na quarta-feira serão ouvidos cinco executivos do grupo Schahin, que arrendava cinco plataformas de perfuração para a Petrobras.

 

 

 

E na quinta-feira serão ouvidos dois funcionários da OAS e o executivo Erton Medeiros Fonseca, da Galvão Engenharia.

 

 

 

Fonseca teve o nome envolvido pelo engenheiro Shinko Nakandakari, que disse que a empresa pagou propina a diretores da Petrobras.

 

 

 

Com tantos depoimentos marcados, o presidente da CPI, deputado Hugo Motta, do PMDB da Paraíba, pediu mais 60 dias de prazo para a CPI:

 

 

 

“A CPI se encaminha para seu final. Eu já pedi a prorrogação para o presidente da Câmara porque, teoricamente, nós teríamos só mais um mês de funcionamento. Nós visamos, agora, dar agilidade e produtividade”

 

 

 

Se não for prorrogada, a CPI tem que terminar seus trabalhos até 25 de junho.

 

 

 
Da Redação com informações da Rádio Câmara