Brasil – Justiça: O Traficante Jarvis Pavão conhecido como “O Senhor das Drogas” está no presídio federal de Mossoró (RN).

O Traficante Jarvis Pavão conhecido como “O Senhor das Drogas” está no presídio federal de Mossoró (RN). – Foto: Divulgação

 

Em uma operação minuciosa o “O Senhor das Drogas”, como era conhecido Jarvis Chimenes Pavão, e que controlava há anos o tráfico de droga, em especial cocaína, na fronteira entre o Paraguai e o Brasil, e é também suspeito de abastecer os gangues do Rio de Janeiro com armamento, foi finalmente extraditado para o Brasil.

 

 

Mesmo preso em Assunção, aonde cumpria pena de oito anos por crimes de lavagem de dinheiro e porte ilegal de armas no Paraguai. Jarvis controlava e mandava no tráfico de drogas na fronteira entre os dois países, fotografias de sua cela vindas a público revelam inclusive uma sala de reunião com móveis de qualidade onde recebia as visitas na prisão, uma sala de estar com um sofá de almofadas brancas e até uma cozinha equipada.

 

 

 

Pavão foi transportado de helicóptero de Assunção para Luque e aí, escoltado por agentes brasileiros e da Interpol, embarcou num avião da Polícia Federal (PF) brasileira.

 

 

 

 

O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) confirmou que Jarvis Chimenes Pavão, já se encontra no presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, onde já cumprem pena outros dois traficantes de peso, Fernandinho Beira-Mar e Marcinho VP.

 

 

 

No Brasil, ele irá cumprir pena de 17 anos e oito meses de reclusão a que foi condenado no Brasil pelos crimes de tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro. Sua extradição foi solicitada pelo Juízo da Vara Criminal de Balneário Camboriú (SC), responsável pela condenação.

 

 

 

A entrega do criminoso ao Brasil foi autorizada pelo Poder Judiciário paraguaio em janeiro de 2010 e ficou aguardando a conclusão da pena que Pavão cumpria por crimes cometidos naquele país. Houve ainda um pedido de extensão da extradição apresentado pelo Juízo da 7ª Vara Federal de Porto Alegre/RS, também pela prática do crime de tráfico internacional de drogas, também foi deferido pelo governo paraguaio.

 

Jarvis Pavão cumpria pena de oito anos por crimes de lavagem de dinheiro e porte ilegal de armas no Paraguai.

 

Participaram do processo de extradição a autoridade central brasileira, exercida pelo Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) da Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), com auxílio da Polícia Federal, da Interpol e do Ministério das Relações Exteriores.

 

 

 

Da Redação