Brasil – Economia: Procon já monitora os preços das Lojas para evitar fraudes na Black Friday. Confira a Lista dos sites que devem ser evitados.

Procon já monitora os preços das Lojas para evitar fraudes na Black Friday. Confira a Lista dos sites que devem ser evitados.

 

Desde setembro a diretoria de fiscalização da Fundação Procon SP já vem monitorando os preços dos artigos mais procurados, assim como os sites de vendas mais populares. A equipe de tecnologia já trabalha para facilitar o registro de queixas do consumidor e, nessa semana, houve uma reunião com os representantes dos núcleos regionais que também farão parte da Operação Black Friday.
 

 

Assim como algumas lojas antecipam as promoções, a equipe do Procon vai iniciar o monitoramento no dia anterior (23/11) às 19h00 estendendo o plantão até a 01h00 do dia 24, quando o plantão será estendido até ás 22h00.
 

 

De acordo com a diretoria de fiscalização, as equipes do Procon estarão de olho nas “falsas promoções”, na falta dos produtos ofertados, ausência de informações precisas para o consumidor e precificação, entre outras exigências do Código de Defesa do Consumidor.

 

 

 

O Procon-SP mantém no ar uma Lista de quais os sites que devem ser evitados pelo internauta ao fazer compras durante a Black Friday Brasil 2017, marcada para o dia 24 de novembro. São 518 lojas virtuais. Todas as páginas citadas tiveram reclamações de consumidores registradas no Procon-SP, foram notificadas e não responderam ou não foram encontradas.

 

 

 

A fundação divulgou a relação de endereços pela primeira vez em julho de 2011 e a mantém atualizada desde então — o último update foi feito na sexta-feira (10).

 

 

Além do endereço do site, a lista ainda mostra informações como a empresa ou pessoa responsável pela página, o respectivo CNPJ (ou CPF), sua situação — que pode estar classificada como “No ar” e “Fora do ar” e significa o status do site no dia da inserção à lista — e a data de inclusão.

 

 

 

Clique aqui e consulte a listagem de Lojas que devem ser evitadas

 

 

 

Lojas nacionais conhecidas não estão presentes na listagem, mas muitos nomes têm semelhança intencional com os de estabelecimentos famosos, como “magazinefernando.com” e “magazinericardo.com.br”.

 

 

 

Entre as recomendações do órgão estão: o acompanhamento de preços por meio de uma pesquisa prévia e frequente dos produtos, além de conferir se o site é brasileiro para não resultar em custos extras e não se deparar com regras do Código do Consumidor de outros países.