Internacional – Política: Secretário-geral da ONU visitará Colômbia neste fim de semana em apoio ao processo de paz

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Evan Schneider

 

O secretário-geral das Nações Unidas segue este sábado para a Colômbia em visita oficial de apoio aos esforços de paz no país.

 

 

 

A informação foi dada pelo porta-voz de António Guterres, Stephane Dujarric.

 

 

 

Ex-combatentes

 

 

 

O porta-voz contou que o chefe da ONU deve se encontrar com o presidente Juan Manuel Santos, funcionários do governo e das Forças Armadas, além da liderança das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Farc.

 

 

 

Guterres também se reunirá com representantes da Igreja Católica, da sociedade civil, da Missão de Verificação das Nações Unidas e da equipe da organização que trabalha na Colômbia.

 

 

 

O chefe da ONU vai ainda acompanhar como são capacitados e reintegrados ex-combatentes das Farc, no terreno.

 

 

 

Horas antes de ser anunciada a viagem à Colômbia, o representante especial do secretário-geral no país falou ao Conselho de Segurança sobre as atividades da Missão, nos últimos três meses.

 

 

Verificação

 

 

Jean Arnault destacou as conversas do governo e do Exército de Libertação Nacional, ELN, na capital do Equador, Quito.

 

 

Arnault afirmou que o clamor pela contínua suspensão das ações militares no país é unânime, apesar das várias imperfeições do cessar-fogo. Ele disse ainda que organizações sociais, acadêmicos, setor privado e autoridades locais querem a continuidade do acordo.

 

Na segunda-feira, a Missão de Verificação da ONU na Colômbia e a Conferência Episcopal da Igreja Católica deixaram claro que é preciso manter o baixo nível de violência que prevaleceu durante os últimos três meses. Ambas as instituições ajudam a monitorar o cessar-fogo.

 

 

Resiliência

 

 

Para o representante, ainda é preciso muito trabalho para manter o processo no caminho certo e torná-lo mais forte. Segundo Jean Arnault, muito pode ser realizado com a atual vontade política, recursos adequados e um esforço sustentado.

 

 

Arnault pediu que outros atores da Colômbia apoiem o processo para consolidar a paz, cuja “necessidade vai além das partes que assinaram o acordo”.

 

 

Arnault destacou que o apoio unânime do Conselho de Segurança, e através deste da comunidade internacional, continua a ser uma grande fonte de encorajamento, resiliência e força.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da Rádio ONU de Nova York