Internacional: Para a ONU – “2015 será lembrado como o ano do sofrimento humano e das tragédias envolvendo migrantes”.

Refugiados sírios. Foto: Acnur/A. Harper
Refugiados sírios. Foto: Acnur/A. Harper

 

 

O secretário-geral da ONU declarou que “2015 será lembrado como o ano do sofrimento humano e das tragédias envolvendo migrantes”. Segundo Ban Ki-moon, nos últimos 12 meses mais de 5 mil mulheres, homens e crianças morreram enquanto buscavam proteção e uma vida melhor em outro país.

 

 

A mensagem de Ban foi divulgada neste 18 de dezembro, Dia Internacional dos Migrantes. Ele lembra também de dezenas de milhares de pessoas exploradas e abusadas por traficantes de seres humanos.

 

 

 

Vítimas

 

 

 

O chefe da ONU lamenta ainda que milhões de civis serviram de bodes expiatórios, tornando-se alvos de políticas xenofóbicas e discursos alarmistas.

 

 

 
Apesar do cenário, Ban vê 2015 também como o ano em que “a comunidade global destacou a importância da contribuição para o desenvolvimento sustentável”.

 

 

 

Com a adoção da Agenda 2030, os líderes mundiais se comprometeram em proteger os direitos dos trabalhadores migrantes, combater o crime transnacional e a rede de tráfico humano.

 

 

 

Medidas

 

 

 

 

Ban Ki-moon acredita que o mundo precisa fazer esses esforços com urgência e criar um novo pacto global sobre mobilidade humana baseado em uma melhor cooperação entre países de origem, de trânsito e de destino.

 

 

 

 

O secretário-geral lembra que os direitos humanos dos migrantes devem ser respeitados sempre, independente de seu status. Ele defende ainda a ampliação de canais seguros para a migração regular, a reunificação de famílias e mais oportunidades de reassentamento.

 

 

 
Apenas um quarto dos países-membros da ONU ratificaram a Convenção Internacional para a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores Migrantes e o secretário-geral pede a todas as nações que assinem e ratifiquem o acordo.

 

 

 

 
Para marcar o Dia Internacional dos Migrantes, a Organização Internacional para Migrações está convidando pessoas do mundo todo a participarem da primeira vigília global nesta sexta-feira. A OIM sugere que as pessoas acendam uma vela em memória aos migrantes que perderam suas vidas este ano.

 

 

 

 

Da Redação com informações da Rádio ONU em Nova York