Internacional: Itália comemora os 70 anos da Libertação do Regime Fascista de Benito Mussolini.

Itália comemora os 70 anos da Libertação do Regime Fascista de Benito Mussolini.
Itália comemora os 70 anos da Libertação do Regime Fascista de Benito Mussolini.

 

 

A Itália comemora este sábado 25 de Abril, o “dia da libertação”, 70 anos após o início do fim do regime fascista de Benito Mussolini.

 

O presidente e o primeiro-ministro italianos lembraram o dia nacional com a deposição de uma coroa de flores no monumento ao soldado desconhecido em Roma.

 

 

Sete décadas depois da libertação de Milão e Turim pelas tropas norte-americanas, o país multiplica as homenagens aos caídos durante a resistência ao regime fascista.

 

 

Há exatamente 70 anos, a resistência italiana anunciava, na radio, a tomada do poder e a pena de morte para todos os fascistas, acompanhada de uma música que se tornou um hino de liberdade: “Bella Ciao”.

 

 

Em menos de uma semana, a revolta terminava com a libertação de todas as cidades italianas, depois da detenção e execução do ditador, Benito Mussolini, a 28 de maio de 1945.

 

 

 

 

Saiba um pouco mais do Fascismo

 

 

Fascismo é a denominação que se dá ao regime político que surgiu na Europa entre 1919 e 1945, portanto, no intercurso das duas grandes guerras mundiais (I Guerra Mundial e II Guerra Mundial). É considerado um regime de direita e suas características básicas são: o totalitarismo, o nacionalismo, o idealismo e o militarismo.

 

 

De modo geral o fascismo é identificado como o regime implantado por Benito Mussolini na Itália no período do pós-guerra. Contudo, ainda que a Itália seja o berço dessa ideologia, a Europa viveu sob ameaça de expansão deste regime durante toda a década de 1930. O fenômeno fascista estendeu-se para outros países europeus como Espanha (Francisco Franco), Portugal (Salazar), entre outros.

 

 

Os italianos eram um povo que possuía um extremo sentimento de nacionalismo. Sua identidade enquanto nação era determinada pela unidade de raça, língua, cultura e território. Este sentimento de nacionalidade foi profundamente atingido – no período do pós-guerra – pelo não cumprimento integral das promessas por parte dos Aliados da guerra. A I Guerra Mundial trouxera conseqüências desastrosas para a Itália, o país encontrava destroçado e os Aliados recusaram-se a cumprir os acordos feitos. Os italianos sentiram-se humilhados e foi deste sentimento de nacionalismo ferido que se estruturou na Itália o regime fascista.

 

 

Em meio às agitações do período, provocadas pela profunda crise econômica que a Itália vivia – situação que se agravava pelas greves e manifestações de trabalhadores insatisfeitos – Benito Mussolini, antigo agitador social, é convocado para chefiar o país. Encarregado de organizar um novo gabinete Mussolini dissolveu partidos de oposição e assumiu o comando do país.

 

 

Apesar de ter origem oficialmente em 1919, o fascismo torna-se conhecido a partir de 1922, quando Mussolini chega ao poder. Um mês depois de assumir o comando do estado italiano, o Parlamento lhe concederia plenos poderes enquanto governo. Benito Mussolini baseou o Estado fascista no corporativismo, no intervencionismo econômico por parte do Estado e também no expansionismo militarista. Mussolini permaneceu no poder até 1943. Foram, portanto, 21 anos de governo sob o regime fascista, resumido por Benito Mussolini da seguinte forma: “Tudo para o Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado”.

 

 

Da Redação com informações da Agência euronews e Infoescola