Internacional: Homem é acusado em Las Vegas devido a materiais para fabricação de bombas

Na foto, a frase inglesa “Orgulho Branco” é estampada por supremacistas. (FONTE: Washington Monthly).

 

Um guarda de Las Vegas foi indiciado depois que materiais usados para produzir bombas foram achados em sua residência. O guarda também promovia ideologias de supremacia branca, de acordo com o Departamento de Justiça. O rapaz chamado Conor Climo, 23 anos, discutia sobre o ataque a uma sinagoga e a “realização de vigilância” em um bar que, acreditava, servia à comunidade LGBT.

 

Um caderno foi encontrado contendo planos de ataque. Em 2016, ele foi notícia no local por andar pelas ruas com um rifle AR. “Se existe um inimigo muito determinado, pelo menos temos os meios para lidar com ele”, disse Conor na época. Climo foi acusado por posse de uma arma de fogo não registrada, que o Departamento de Justiça dos EUA declarou estar sendo usada como um dispositivo destrutivo.

 

As investigações descobriram que o rapaz estava em contato com supremacistas brancos. De acordo com uma declaração emitida pelo Departamento de Justiça, “Climo estava se comunicando com indivíduos que se identificaram com uma organização extremista supremacista branca usando o Movimento Nacional Socialista para promover sua ideologia”.

 

Ataque a Vegas

Las Vegas é uma cidade muito procurada por brasileiros que têm os Estados Unidos como destino de suas viagens. Conhecida por seus hotéis de luxo e cassinos, a cidade se mostra uma boa oportunidade para os brasileiros se aventurarem em jogos de azar, visto que os cassinos no Brasil são uma forma de entretenimento proibida. Por ser uma cidade que acolhe a diversidade, Climo decidiu que seria esse o local onde iniciaria os ataques.

 

A cidade de Las Vegas em homenagem a americanos mortos em tiroteios. (FONTE: The National)

 

Conforme relatado pela declaração emitida pela Polícia, “Ele (Conor Climo) falou sobre atacar uma sinagoga de Las Vegas e fazer coquetéis molotov e dispositivos explosivos improvisados. Ele também cogitou a realização de vigilância em um bar que, acreditava, servia à comunidade LGBT". Não bastasse sua própria atrocidade, Conor Climo também tentou recrutar um desabrigado a fim de conduzir uma ronda “pré-ataque” em vários alvos da cidade de Las Vegas. Pelo crime, o guarda pode pegar até 10 anos de prisão e uma multa de US$ 250.000 (cerca de mais de 1 milhão de reais).

 

Não é a primeira vez

 

As notícias de Climo não são inéditas, e essa não é a primeira vez que preocupações acerca do rapaz foram levantadas. Agências de notícias locais relataram que, aos 20 anos, ele patrulhava as ruas em Centennial Hills, armado com um rifle e uma faca, alegando que
já estava cheio dos crimes no local. Um dos vizinhos do rapaz disse à KTNV que “não sabia quais eram as intenções do rapaz nem qual é a história por trás dele”.

 

Só neste ano, mais de 250 tiroteios em massa aconteceram nos EUA. Recentemente, diversos tiroteios em massa em Dayton, Ohio, e El Paso, Texas, deixaram mais de 30 pessoas mortas. O suspeito acusado de matar um número assustador de 22 pessoas em El Paso confessou que estava mirando em “mexicanos”.

 

Direito a posse de armas é a origem do problema O debate sobre controle de armas volta à tona sempre que há ataques com mortes em
massa nos Estados Unidos- o que acontece com uma frequência assustadora.

 

Massacres desse tipo se tornaram corriqueiros nos Estados Unidos. O culto às armas é o maior motivo para o país ser líder em morte por arma de fogo entre os países desenvolvidos. O país é o único no mundo onde o direito de portar armas é garantido pela Constituição.

 

A população americana é, de longe, a mais armada. De acordo com a Small Arms Survey, os Estados Unidos possuem quase 400 milhões de armas de fogo nas mãos da população, ou seja, mais de uma arma para cada habitante do país.