Internacional: Falta de de dinheiro leva agência da ONU a cortar alimentação de 500 mil refugiados no Quênia

Nyachot mostra os grãos de milho que formam parte da ração que ela recebe no campo de refugiados Kakuma, no Quênia, onde ela mora com seus quatro filhos. Foto: ACNUR/I. Charnetski
Nyachot mostra os grãos de milho que formam parte da ração que ela recebe no campo de refugiados Kakuma, no Quênia, onde ela mora com seus quatro filhos. Foto: ACNUR/I. Charnetski

 

 

 

 

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) anunciou nesta sexta-feira (12) que meio milhão de refugiados em dois campos no Quênia receberão 30% a menos de comida devido à falta de fundos para as operações a partir da próxima segunda-feira (15).

 

 

A agência da ONU disse que está temporariamente reduzindo o tamanho das rações nos campos de Dadaab e Kakuma como única forma de fazer o seu estoque durar mais tempo. Com os cortes, as rações poderão durar até setembro. A medida poderá ser evitada caso novos fundos sejam recebidos o mais rápido possível.

 

 

 

Essa é a segunda vez que o PMA precisa reduzir as rações para os refugiados, originários da Somália e Sudão do Sul, nos últimos seis meses em decorrência da escassez de fundos.

 

 

 

Para reverter esse quadro, o a agência da ONU pede à comunidade internacional uma contribuição de 39,4 milhões de dólares para cobrir suas operações até janeiro de 2016, incluindo 12,4 milhões que seriam usados para suprir essa carência imediata.

 

 

 
Fonte: Da Redação com informações provenientes de Agências Nacionais,  Agências Internacionais e da ONU