Expo Milão 2015: Exposição Universal abre suas portas em Milão em clima de protesto

Autoridades italianos reforçaram a segurança nas ruas de Milão para conter os protestos previstos para a abertura da Expo 2015. REUTERS/Stefano Rellandini
Autoridades italianos reforçaram a segurança nas ruas de Milão para conter os protestos previstos para a abertura da Expo 2015.
REUTERS/Stefano Rellandini

 

 

A Expo 2015 abre suas portas nesta sexta-feira (1°) em Milão com o tema “Alimentando o planeta, energia para a vida”. Enquanto os organizadores esperam receber 20 milhões de visitantes nos próximos seis meses e o governo italiano vê no evento uma vitrine da retomada econômica do país, manifestantes ecologistas e anti-globalização tentam tomar as ruas da cidade em protesto contra a realização da exposição.

 

 

 

 

 

Após meses de trabalho e muito atraso nos preparativos, os olhos do mundo estão voltados para a capital da Lombardia nesta sexta-feira, quando é inaugurada oficialmente a Exposição Universal 2015. As festividades já começaram na noite de quinta-feira (30), com um show ao ar livre na praça do Duomo, a catedral gótica de Milão, com a presença tenor italiano Andrea Bocelli, do pianista chinês Lang Lang e da orquestra e o coral da Scala.

 

 

 

Até o mês de outubro cerca de 140 países serão representados em pavilhões construídos em torno de problemáticas ligadas à alimentação no planeta. Mas até a véspera da inauguração a principal preocupação dos organizadores era com a finalização das estruturas para receber os vistantes. Os atrasos teriam sido causados pelos escândalos de corrupção revelados durante os preparativos e que frearam as obras. Mas o comissário-geral do evento, Giuseppe Sala, prometeu até o último minuto que tudo estaria pronto na hora da abertura das portas, nesta sexta-feira.

 

 

 

Além dos atrasos, antes mesmo da inauguração os organizadores já tiveram que enfrentar imprevistos. Pois mesmo se o governo italiano quer fazer da Expo 2015 um símbolo da retomada econômica após anos de recessão, muitos italianos se opõem ao evento. Na quinta-feira (30), véspera da inauguração, centenas de jovens saíram às ruas em protesto contra a exposição e obrigaram as autoridades a fechar o centro da cidade durante a passagem do cortejo, quando grupos ecologistas, anticapitalistas e anti-globalização jogaram tinta e ovos em várias vitrines. Outra manifestação dos chamados “NoExpo”, desta vez mais numerosa, está prevista para esta sexta-feira.

 

 

Participação brasileira

 

 

 

O pavilhão do Brasil na Expo Milão 2015 também será inaugurado na tarde desta sexta-feira. Com o tema “Alimentando o mundo com soluções”, os brasileiros vão tentar mostrar durante os seis meses do evento que o país é capaz de ampliar a produção de alimentos e atender às demandas mundiais usando tecnologias avançadas e de forma sustentavel.

 

 

 

O público que visitar o pavilhão do Brasil, construído pelo Studio Arthur Casas em parceria com o Atelier Marko Brajovic, também vai poder ver durante o primeiro mês a exposição “Alimentário – Arte e construção do patrimônio alimentar brasileiro”. A mostra, que já passou por Rio de Janeiro e São Paulo, aborda as relações entre comida e cultura no país, por meio de obras de artistas de várias épocas, como Ernesto Neto, Hélio Oiticica, Beatriz Milhazes ou Candido Portinari.

 

 

 
Da Redação com informações de Agências Internacionais e da RFI