Supercopa Masculina de Vôlei 2018: Sesi-SP vence o Sada Cruzeiro (MG) por 3 sets a 0 e é campeão da Supercopa.

Comemoração do Sesi-SP, campeão da Supercopa 2018 (Créditos: Divulgação/CBV)

 

 

Um duelo de respeito entre dois grandes times do voleibol brasileiro, com estrelas da modalidade em quadra, definiu que o Sesi-SP é o grande campeão da Supercopa masculina 2018. Na partida que aconteceu na noite deste sábado (20.10), na Arena Minas, em Belo Horizonte (MG), o time paulista levou a melhor sobre o Sada Cruzeiro (MG) por 3 sets a 0 (25/22, 25/19 e 25/22) e ficou com o título na abertura da temporada nacional de clubes.

 

 

Nos campeonatos estaduais, o Sada Cruzeiro comemorou o título do Mineiro sobre o Minas Tênis Clube (MG) e o Sesi-SP havia ficado com o vice-campeonato paulista, ao ser superado pelo EMS Taubaté Funvic (SP). Nesta noite, a equipe comandada pelo técnico Rubinho fez a festa na casa e diante da torcida adversária.

 

 

 

 

Aniversariante de ontem, o central Éder comemorou o presente um dia atrasado. O jogador, que completou 35 anos, foi vice-campeão mundial com a seleção brasileira no mês passado e ainda tem no currículo o título olímpico nos Jogos Rio-2016.

 

 

 

 

“A equipe jogou muito bem hoje. Estudamos bem o time deles, o Rubinho nos passou as informações bem precisas e esperávamos, inclusive, um jogo ainda mais disputado, sem ser de 3 a 0, mas conseguimos marcar muito bem a equipe deles e sair com essa vitória importantíssima para começar a temporada com um título. Presentão de aniversário. Fiz 35 anos ontem e tanto eu, como toda a equipe e toda a minha família vão gostar muito”, disse Éder.

 

 

 

 

Um dos destaques na partida, o oposto Alan elogiou o desempenho do time nesta noite. “Estou muito feliz por ter conseguido jogar bem, assim como toda a equipe, que foi muito bem hoje. Erramos pouco, acertamos o saque, bloqueio, que era o que tínhamos planejado, além de evitar tomar ponto de saque. Fizemos tudo que estava combinado e saímos vitoriosos por isso”, detalhou o atacante.

 

 

 

 

Segundo o técnico Rubinho, a boa atuação do seu time levou ao título. “Conseguimos realizar o que pretendíamos dentro do jogo. Conseguimos trabalhar bem no bloqueio, conciliar a defesa e criar oportunidades de pontos. Além disso, mantivemos uma linha de jogo consistente e isso é sempre o mais importante. Conseguimos manter esse padrão hoje e acho que esse é o caminho da vitória”, disse o treinador do Sesi-SP.

 

 

 

 

Pelo Sada Cruzeiro, o capitão Filipe lamentou o resultado, mas fez questão de destacar que este resultado faz parte de um processo que o time está atravessando após perder jogadores como o levantador Uriarte, o central Simon e o ponteiro Leal.

 

 

 

“Foi um jogo difícil. Sabíamos que seria complicado. O Sesi-SP veio de um belo Campeonato Paulista, nós temos apenas sete jogos, eles vieram com mais ritmo e já tem mais ou menos a base da equipe do ano passado. Nós tivemos que trocar três peças importantes, que são o levantador, um central e um ponteiro, e isso é difícil. Mas, faz parte. É só um início de um processo e a Superliga Cimed está chegando”, finalizou Filipe.

 

 

 

 

O Sesi-SP tirou o título de Contagem (MG), casa da equipe mineira. Até então, só o Sada Cruzeiro havia vencido a Supercopa. Nas edições anteriores, levou a melhor sobre o EMS Taubaté Funvic (SP) em 2015, depois sobre o extinto Vôlei Brasil Kirin (SP), em 2016, e, na mais recente edição disputada, em 2017, voltou a levar a melhor sobre o time taubateano.

 

 

 

EQUIPES

 

 

SADA CRUZEIRO – Fernando, Evandro, Le Roux, Isac, Filipe e Rodriguinho. Líbero – Serginho

Entraram – Luan, Sandro, Léozinho

Técnico: Marcelo Mendez

 

 

 

SESI-SP – William, Alan, Gustavão, Éder, Lucas Lóh e Renato. Líbero – Murilo

Entraram – Franco

Técnico: Rubinho

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da CBV