Paraolimpíadas Rio 2016 – Cerimônia de Abertura: Trilha sonora da abertura paralímpica incluiu de Villa-Lobos a roda de samba

Roda de samba tocou músicas como A Voz do Morro, de Zé Keti - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Roda de samba tocou músicas como A Voz do Morro, de Zé Keti – Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

 

 

A música brasileira foi um dos destaques da cerimônia de abertura da Paralimpíada do Rio de Janeiro. Assim como na Olimpíada, a diversidade foi exaltada e interpretações clássicas de grandes sucessos e releituras fizeram parte da programação.

 

 

 

Um Bilhete para Didi, dos Novos Baianos, embalou os primeiros momentos da festa. A faixa instrumental faz parte do álbum Acabou Chorare, de 1972, considerado pela revista especializada Rolling Stone o mais importante da música brasileira. O grupo também foi representado com Brasil Pandeiro, de Assis Valente e que também foi gravada pelos Novos Baianos, e que tocou no momento em que a bandeira brasileira entrou no estádio.

 

 

 

 

Uma roda de samba reuniu jovens e mestres do ritmo carioca no Maracanã. Monarco, Hamilton de Holanda, Maria Rita, Diogo Nogueira, Xande de Pilares, Pastoras da Portela, Pedrinho e Pretinho da Serrinha. Grandes sambas entraram em cena, como A Voz do Morro, de Zé Keti. Muito repetido no Maracanã por torcidas de futebol, O Campeão, de Neguinho da Beija Flor foi outra aposta para levantar o público.

 

 

 

Tom Jobim, que deu nome ao mascote paralímpico, o Tom, foi representado com um de seus clássicos, Wave, no segmento da festa que se dedicou às praias cariocas. Aquele Abraço, de Gilberto Gil, engradeceu o momento em que o nadador Daniel Dias pareceu atravessar “uma piscina” projetada no chão do estádio.

 

 

 

 

Vendedores de mate e biscoito de polvilho, tradicionais no Rio de Janeiro, puxaram uma coreografia de passinho quando o ritmo foi o funk e o público aplaudiu os bailarinos.

 

 

O maestro João Carlos Martins é ovacionado pela plateia ao tocar o Hino Nacional ao piano.  - Foto: Rio 2016
O maestro João Carlos Martins é ovacionado pela plateia ao tocar o Hino Nacional ao piano. – Foto: Rio 2016

 

O pianista e maestro João Carlos Martins foi o responsável pela execução do Hino Nacional, um dos mais importantes momentos protocolares, em que a bandeira brasileira também foi hasteada.

 

 

 

A entrada da delegação brasileira foi ao som de O Homem Falou, de Gonzaguinha, música escolhida por falar sobre diversidade.

 

Delegação Brasileira (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Rio de Janeiro – Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 no Estádio do Maracanã. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

 

Um mesmo segmento da festa uniu o consagrado compositor Heitor Villa-Lobos e sua Bachianas Brasileiras Nº 4 e a música Minimal 13, do grupo Uakti, que cria instrumentos não convencionais para produzir seus sons.

 

 

 

 

Uma das partes mais aguardadas da cerimônia, quando a bailarina e atleta do snowboard Amy Purdy dançou com um robô, teve a participação do maestro Sergio Mendes, que executou a música Borandá, de Edu Lobo.

 

 

 

 

O poderoso clássico E Vamos à Luta, de Gonzaguinha, e a mensagem motivadora de É Preciso Saber Viver, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, deram um tom de otimismo ao fim da cerimônia, na voz do cantor Seu Jorge.

 

Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 no Estádio do Maracanã.  (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Rio de Janeiro – Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 no Estádio do Maracanã. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

 

 

Da Redação com informações provenientes da Agência Brasil