Mundial de Desportos Aquáticos de Gwangju – 2019: Ana Marcela brilha nos 5km e se torna a maior vencedora das maratonas aquáticas em mundiais.

Ana Marcela Cunha, 5 Km. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 17 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

Nadadora baiana, beneficiada pela Bolsa Pódio, soma agora dez pódios. São quatro ouros, duas pratas e quatro bronzes. Ela ainda nada o revezamento e os 25km na Coreia do Sul

 

A baiana Ana Marcela Cunha já era um fenômeno das maratonas aquáticas antes mesmo de desembarcar na Coreia do Sul para o Mundial de Desportos Aquáticos de Gwangju. Na manhã desta quarta-feira (17.07), no horário local, noite de terça-feira (16.07), no Brasil, a nadadora elevou o status de sua carreira.

 

 

Com 57min56s0, Ana Marcela Cunha conquistou a medalha de ouro na prova de 5km nas águas na baía do Yeosu Expo Ocean Park, na cidade de Yeosu, palco das provas das maratonas aquáticas no Mundial. A outra brasileira na prova, Viviane Jungblut, terminou em 21º, com 58min17s4. A prata ficou com a francesa Aurelie Muller, com 57min57s0, e o bronze foi para a norte-americana Hannah Moore, que fechou o pódio com 57min58s0.

 

 

O resultado isolou Ana Marcela, atleta beneficiada com a Bolsa Pódio do Governo Federal, como a maior campeã da história em mundiais na modalidade. Ela deixou para trás a holandesa Edith Van Dijk, atleta já aposentada e que tem três ouros, duas pratas e quatro bronzes em mundiais, as mesmas medalhas que Ana Marcela tinha antes do título nos 5km de hoje.

 

 

“Estou muito feliz. Não é a prova que a gente mais esperava uma medalha, mas ela veio”, comemorou Ana Marcela, que também falou sobre o fato de ser tetracampeã mundial. “Eu nunca imaginei isso. Eu não fico pensando: ‘Eu preciso ser tetra, preciso ser penta, preciso ser hexa´. Eu só quero dar o melhor e sair da água realizada. É isso que faço a cada prova e acho que as coisas vão acontecendo!”.

“Eu nunca imaginei isso. Não fico pensando: ‘Preciso ser tetra, preciso ser penta, preciso ser hexa´. Eu só quero dar o melhor e sair da água realizada. É isso que faço a cada prova e as coisas vão acontecendo!”

Ana Marcela, tetracampeã mundial em provas de maratonas aquáticas

 

 

Sobre ter se tornado a maior campeã da história em mundiais, Ana Marcela também mostrou naturalidade. “Eu me sinto normal e continuo sendo a Ana Marcela que, em 2006, competiu no Mundial de Nápoles, com 14 anos. São 13 anos de Seleção e apenas em uma competição a gente ficou de fora, que foram as Olimpíadas de 2012. É um currículo e tanto. Sou a única em atividade a ser eleita para o Hall of Fame, então para mim é um orgulho grande, mas nada disso chega na minha cabeça”, afirmou pouco depois de sair da água.

 

 

Além de ter feito história, Ana Marcela ficou ainda mais feliz quando soube de uma coincidência ressaltada pela imprensa na Coreia. A baiana tornou-se tetracampeã mundial no mesmo dia, 17 de julho (na Coreia), em que a Seleção Brasileira de futebol comemora os 25 anos da conquista do tetracampeonato, nos Estados Unidos, em 1994.

 

 

“Eu tenho 27 anos, então não me lembro do Tetra. Eu tinha só dois anos. É a mesma coisa de não ter visto o Senna, e sou uma grande fã dele. Não tive a oportunidade de vê-lo, assim como não vi o Tetra, mas é legal saber que estou fazendo história no meu país também”, declarou a tetracampeã mundial.

 

 

Pódios desde Roma 2009

 

 

Os atletas das maratonas aquáticas têm contribuído bastante para o sucesso do Brasil nos Campeonatos Mundiais de Desportos Aquáticos. Desde a edição de Roma 2009, quando Poliana Okimoto se tornou a primeira nadadora brasileira a subir ao pódio, com o bronze nos 5km, os representantes do país na modalidade faturaram medalhas em todas as edições seguintes: Xangai 2011, Barcelona 2013, Kazan 2015, Budapeste 2017 e, agora, em Gwangju 2019. No total, o Brasil tem 14 medalhas em Campeonatos Mundiais nas maratonas aquáticas: 5 de ouro, 3 de prata e 6 de bronze. Confira a lista de pódios do Brasil na competição:

 

 

 

Ouro

» Xangai 2011 – Ana Marcela Cunha – 25km
» Barcelona 2013 – Poliana Okimoto – 10km
» Kazan 2015 – Ana Marcela Cunha – 25km
» Budapeste 2017 – Ana Marcela Cunha – 25km
» Gwangju 2019 – Ana Marcela Cunha – 5km

 

 

Prata
» Barcelona 2013 – Poliana Okimoto – 5km
» Barcelona 2013 – Ana Marcela Cunha – 10km
» Kazan 2015 – Allan do Carmo, Ana Marcela Cunha e Diogo Villarinho – Equipe 5km

 

 

Bronze

» Roma 2009  – Poliana Okimoto – 5km
» Barcelona 2013 – Ana Marcela Cunha – 5km
» Barcelona 2013 – Allan do Carmo, Poliana Okimoto e Samuel de Bona – Equipe 5km
» Kazan 2015 – Ana Marcela Cunha – 10km
» Budapeste 2017 – Ana Marcela Cunha – 5km
» Budapeste 2017 – Ana Marcela Cunha – 10km

 

 

Investimento

Os seis atletas das maratonas aquáticas que defendem o Brasil no Mundial de Gwangju recebem a Bolsa Atleta do Governo Federal. Dos seis, apenas Victor Colonese não recebe a Bolsa Pódio, a mais alta categoria do programa, do qual fazem parte Diogo Vilarinho, Fernando Ponte, Allan do Carmo, Ana Marcela Cunha e Viviane Jungblut. O investimento anual nos atletas da Seleção Brasileira de maratonas aquáticas em Gwangju é de R$ 731,1 mil.

 

 

 

Os brasileiros e suas provas

» Diogo Andrade Vilarinho – 5km
» Fernando Estanislau Ponte – 5km
» Ana Marcela Cunha – 5km, 10km e 25km
» Viviane Jungblut – 5km e 10km
» Allan do Carmo – 10km
» Victor Colonese – 10km e 25km

Programação e resultados
Horários de Brasília

12.07 – Sexta-feira
5km masculino
1. Kristof Rasovszky (HUN) – 53min22s1
2. Logan Fontaine (FRA) – 53min32s2
3. Eric Hedlin (CAN) – 32min32s4
25. – Fernando Ponte (BRA) – 53min43s6
36. – Diogo Villarinho (BRA) – 53min55s4

13.07 – Sábado
10km feminino*
1. Xin Xin (CHI) – 1h54min47s2
2. Haley Anderson (EUA) – 1h54min48s1
3. Rachele Bruni (ITA) – 1h54min49s9
4. Lara Grangeon (FRA) – 1h54min50s.0
5. Ana Marcela Cunha (BRA) – 1h54min50s.5
6. Ashley Twichell (EUA) – 1h54min50s.5
7. Kareena Lee (AUS) – 1h54min50s.5
8. Finnia Wunram (ALE) – 1h54min50s.7
9. Leonie Beck (ALE) – 1h54min51s.0
10. Sharon van Rouwendall (HOL) – 1h54min51s.1
12. Viviane Jungblut (BRA) – 1h54min51s9
* As dez primeiras colocadas garantiram vaga para as Olimpíadas de Tóquio 2020

15.07 – Segunda-feira
10km masculino*
1. Florian Wellbrock (ALE) – 1h47min55s9
2. Marc-Antoine Olivier (FRA) – 1h47min56s1
3. Rob Muffls (ALE) – 1h47min57s4
4. Kristof Rasovszky (HUN) – 1h47min59s5
5. Jordan Wilimovsky (USA) – 1h48min01s0
6. Gregorio Paltriniery (ITA) – 1h48min01s0
7. Ferry Weertman (HOL) – 1h48min01s9
8. Alberto Martinez (ESP) – 1h48min02s2
9. Mario Sanzullo (ITA) – 1h48min04s7
10. David Aubry (FRA) – 1h48min05s1
33. Allan do Carmo (BRA) – 1h50min14s7
35. Victo Colonese (BRA) – 1h50min15s2
* Os dez primeiros colocados garantiram vaga para as Olimpíadas de Tóquio 2020

16.07 – Terça-feira
5km feminino
1. Ana Marcela Cunha (BRA) – 57min56s0
2. Aurelie Muller (FRA) – 57min57s0
3. Hannah Moore (EUA) – 57min58s0
21. Viviane Jungblut (BRA) – 58min17s4

17.07 – Quarta-feira
20h – revezamento por equipes 5km
equipe brasileira: Ana Marcela Cunha, Viviane Jungblut, Diogo Villarinho e Fernando Ponte

18.07 – Quinta-feira
20h – 25km masculino e feminino
Ana Marcela Cunha e Victor Colonese

 

 

Da Redação com informações de Luiz Roberto Magalhães, de Gwangju, na Coreia do Sul – rededoesporte.gov.br