Jogos Olímpicos Rio 2016: Time Brasil de Remo confia em bons resultados nas Olimpíadas #Rio2016

Disputas do double skiff começam no dia 7, na Lagoa Rodrigo de Freitas -  Foto: Washington Alves/Exemplus/COB
Disputas do double skiff começam no dia 7, na Lagoa Rodrigo de Freitas – Foto: Washington Alves/Exemplus/COB

 

Os quatro remadores brasileiros nos Jogos Olímpicos Rio 2016 – Xavier Vela e William Giaretton (double skiff masculino) e Fernanda Nunes e Vanessa Cozzi (double skiff feminino) – acreditam que, apesar do pouco tempo de treinamento de ambas as duplas, formadas no início do ano, podem surpreender com bons resultados. As disputas do double skiff começam no dia 7, com a fase eliminatória, e prosseguem até o dia 12, na Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio de Janeiro.

 

 

 

 

O catarinense William, de 25 anos, compete com Xavier, de 26, espanhol naturalizado brasileiro em 2014, justamente para pode disputar os Jogos Olímpicos pelo país de seu pai, Ramon. A meta, segundo a dupla, é ficar entre os 12 primeiros colocados.

 

 

 

 

 

“Estamos prontos para tentar fazer a melhor campanha do Brasil na modalidade”, disse William, lembrando que o 13º lugar geral de Fabiana Beltrame e Luana Bartholo em Londres 2012 foi um marco para o país. “Sabemos que temos fortes adversários, entre eles França, Grã-Bretanha e Noruega. Eles são superiores, sem dúvida, mas estamos preparados para a briga”, completou, confiante, Xavier, cujo irmão, Pau, também estará competindo, pela Espanha, em outra classe do remo.

 

 

 

 

No feminino, a paulista Vanessa, de 32 anos, explica que muitas duplas estrangeiras estão mais entrosadas, competiram durante todo o ciclo olímpico, e, por isso, naturalmente têm mais chances. “Elas possuem mais bagagem, não há como negar, mas podemos surpreender. Temos totais condições de superar nossa marca, que é de 7min08s”, acredita Vanessa, que foi nadadora até os 21 anos e começou a remar há apenas quatro.

 

 

 

 

A seleção está hospedada no Hotel Sesc Copacabana para ficar mais perto do local de treinamento e de competição e, segundo a carioca Fernanda, de 31 anos, tudo tem transcorrido da melhor forma possível. “Estamos super bem no hotel, longe de qualquer agitação. A tranquilidade é o ideal agora. Precisamos de um deslocamento rápido para os treinos e estamos conseguindo isso. Mas é claro que temos curiosidade para conhecer a Vila”, afirmou.

 

 

 

 

O coordenador técnico Marcello Varriale lembra que ambas as duplas brasileiras foram campeãs do Pré-Olímpico do Chile, em março, e ficaram em nono lugar na etapa da Copa do Mundo da Polônia, em junho.

 

 

 

 

 

“Aqui no Rio levamos vantagem de a Lagoa não ser um lugar conhecido dos demais competidores. Nós estamos em casa, especialmente a Fernanda, que é carioca. Também precisamos levar em conta a situação diferente de vento. Os favoritos podem não ter o mesmo desempenho da Copa do Mundo, por exemplo”, explicou, acrescentando que o double skiff exige muita sincronia e que os dois remadores precisam estar muito próximos tecnicamente.

 

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes do COB