Jogos Olímpicos Rio 2016 – Handebol: Dinamarca impede o tri da França no handebol

Com oito gols na final, Mikkel Hansen foi o principal personagem da histórica vitória dinamarquesa (Foto: Getty Images/Sean M. Haffey)
Com oito gols na final, Mikkel Hansen foi o principal personagem da histórica vitória dinamarquesa (Foto: Getty Images/Sean M. Haffey)

 

A Dinamarca não tinha nenhuma medalha Olímpica no handebol masculino antes do Rio 2016. A França havia vencido as últimas duas edições dos Jogos e lutava pelo inédito tri. Mas o improvável aconteceu e foram os dinamarqueses que comemoram ao fim do torneio Olímpico do esporte, neste domingo (21), na Arena do Futuro. A vitória sobre os atuais campeões mundiais por 28 a 26 é o maior resultado da história dinamarquesa no handebol masculino.

 

 

 

“Tinha muito tempo que não ganhávamos da França. Eles nunca tinham perdido uma final com esse time. É um resultado que significa tudo para nós”, comentou Casper Mortensen.

 

 

 

 

Até então, a equipe tinha o bicampeonato europeu como maior feito. Em 2011 e 2013, os dinamarqueses foram vice-campeões mundiais.

 

 

 

 

O herói do título dinamarquês foi Mikkel Hansen, que marcou oito gols na final. Lasse Svan, Kasper Sondergaard, Morten Olsen e Henrik Toft Hansen fizeram quatro, cada. Pelo lado francês, Michael Guigou foi o jogador mais efetivo, com seis gols marcados, seguido por Nikola Karabatic, que balançou as redes cinco vezes.

 

 

 

 

“É claro que estamos frustrados, mas estamos felizes por a França ter chegado à final tanto no masculino quanto no feminino. Os dinamarqueses foram mais fortes e mereceram vencer. Estávamos cansados, tivemos uma certa dificuldade no aspecto físico, e isso foi o que fez a diferença”, disse Karabatic.

 

 

 

Alemanha fica com o bronze

 

 

 

 

Na disputa pelo bronze, deu Alemanha. A atual campeã europeia, levou a melhor sobre a Polônia, venceu por 31 a 25 e garantiu seu lugar no pódio. Tobias Reichmann, com sete gols, e Uwe Gensheimer, com seis, foram os destaques da vitória alemã.

 

 

 

 

“Temos muitos motivos para estar orgulhosos. Todos querem o ouro, mas estamos satisfeitos. Sabíamos que seria muito mais difícil que o Campeonato Europeu, porque todos estão nos vendo com outros olhos. Daqui a cinco meses jogaremos o Campeonato Mundial e queremos ir bem lá também”, disse Reichmann.

 

 

 

 
Da Redação com informações provenientes da Rio 2016