Ginástica Artística: Brasil ganha nove medalhas na Copa do Mundo de ginástica artística

Arthur Zanetti venceu nas argolas, seu companheiro de seleção Henrique Flores ficou com a medalha de prata e o argentino Frederico Molinari levou o bronze. - Crédito: Osvaldo F./Contrapé
Arthur Zanetti venceu nas argolas, seu companheiro de seleção Henrique Flores ficou com a medalha de prata e o argentino Frederico Molinari levou o bronze. – Crédito: Osvaldo F./Contrapé

 

 

Embalada pelo público que compareceu em peso ao Ginásio do Ibirapuera, a seleção brasileira de ginástica artística fez bonito e conquistou nove medalhas na etapa de São Paulo da Copa do Mundo. Ao todo, foram três ouros, quatro pratas e dois bronzes.

 

Um dos destaques da Copa do Mundo foi Arthur Zanetti, que venceu nas argolas com nota 15,900. Seu companheiro de seleção Henrique Flores fez 15,100 e ficou com a medalha de prata, fechando a dobradinha brasileira no aparelho. O argentino Frederico Molinari levou o bronze (15,00).

 

 

 

“A série foi boa, bem encaixadinha. Amei essa competição. Foi muito bom competir com o público do Brasil. A gente sentiu a energia e isso fez a diferença”, comemorou Zanetti.

 

 

A revelação Flavia Saraiva também fez bonito em São Paulo. A jovem de 15 anos conquistou a medalha de ouro no solo com 13,625, à frente das duas alemãs Elisabeth Seitz (13,400) e Leah Griesser (12,325). Outro jovem talento do Brasil, Lorrane Oliveira também se saiu muito bem, mas uma pequena queda deixou a atleta em oitavo lugar, com 12,400.

 

 

 

Flavia voltou ao pódio da competição com a prata na trave. A ginasta mostrou segurança e conseguiu uma nota 15,100, sendo superada apenas pela chinesa Chunsong Shang, com 15,400. A terceira colocação foi da alemã Sophie Scheder, com 14,000.

 

 

 

“Eu fiquei muito feliz com esses dois resultados, que treinamos bastante para conseguir. O que mais vou guardar no coração dessa competição foi a torcida, que me ajudou bastante e sempre me colocou para cima”, disse Flavia Saraiva.

 

 

 

O Brasil teve dois atletas no pódio do salto, com Ângelo Assumpção no topo (15,025) e Diego Hypolito em terceiro lugar (14.837). A segunda colocação ficou com o alemão Mathias Fahrig (14.850).

 

 

Diego ainda levou a prata no solo, onde somou 15.550, sendo superado pelo chileno Enrique Sepulveda, que arrancou a nota mais alta dos jurados (15,625). O alemão Mathias Fahrig, também muito aplaudido, somou 15,475 e ficou com o bronze. Ângelo Assumpção foi o sétimo, com 14,500.

 

 

 

Nas barras paralelas, Francisco Barreto Júnior ficou com a medalha de bronze (15,300), enquanto o alemão Lukas Dauser levou o ouro (15.750) e o chinês Xiadong Zhu a prata (15.525).

 

 

 

No salto feminino, Rebecca Andrade foi prata com nota 14,700, atrás apenas da chinesa Yalan Deng (14.962). O bronze foi da chilena Franchesca Santi (14,162).

 

 

Da Redação com informações do COB