Mundial de Desportos Aquáticos de Gwangju 2019: Brasil encerra participação no Mundial de Gwangju em 9º lugar na classificação geral.

Mundial de Desportos Aquáticos

 

A delegação brasileira no Mundial da Coreia do Sul, que terá vários representantes na disputa dos Jogos Pan-Americanos de Lima, foi composta por 60 atletas, que disputaram provas nas seis modalidades da competição: maratonas aquáticas, natação, polo aquático, saltos ornamentais, nado artístico e high dive.

 

 

Assim como em todas as edições do Mundial, coube aos nadadores do os momentos de maior protagonismo. Com dois ouros nas maratonas aquáticas e cinco pódios na natação – três pratas e dois bronzes – o Brasil manteve-se entre as grandes nações e terminou o Mundial da Coreia do Sul na nona colocação no quadro geral de medalhas, entre as 23 nações que conseguiram levar atletas ao pódio nas seis modalidades.

 

 

Nas maratonas aquáticas, especificamente, os dois ouros de Ana Marcela Cunha, nos 5km e 25km, garantiram ao Brasil a segunda colocação no quadro de medalhas, atrás apenas da Alemanha, que teve dois ouros, uma prata e dois bronzes.

 

 

Na natação, o Brasil terminou em 13º lugar, entre os 21 países que chegaram ao pódio. Além disso, os atletas da modalidade disputaram 12 finais na piscina da Nambu University, o mesmo número da edição de Budapeste 2017, quando o Brasil também conquistou cinco medalhas, mas uma foi de ouro, com Etiene Medeiros, nos 50m costas

 

 

Todos os pódios

No Mundial de Gwagju, os seguintes atletas do Brasil subiram ao pódio, nesta ordem:

 

Maratonas aquáticas 


» Ana Marcela Cunha – ouro nos 5km das maratonas aquáticas
» Ana Marcela Cunha – ouro nos 25km das maratonas aquáticas

Natação


» Nicholas Santos – bronze nos 50m borboleta
» Felipe Lima – prata nos 50m peito
» João Gomes Junior – bronze nos 50m peito
» Etiene Medeiros – prata nos 50m costas
» Bruno Fratus – prata nos 50m livre

 

Dos sete pódios, apenas um, o de Bruno Fratus, o terceiro dele seguido em mundiais nos 50m livre, foi conquistado em provas olímpicas. Somam-se às medalhas na Coreia a conquista de quatro vagas para as Olimpíadas de Tóquio 2020. Classificaram-se para os Jogos no Japão:

 

  • » Ana Marcela Cunha – 10km das maratonas aquáticas
  • » Revezamento 4 x 100m livre masculina – vaga conquistada por Marcelo Chierighini, Pedro Spajari, André Calvelo e Breno Correia
  • » Revezamento 4 x 200m livre masculina – vaga conquistada por Luiz Altamir, Fernando Scheffer, João de Lucca e Breno Correia
  • » Revezamento 4 x 100m medley masculina – vaga conquistada por Guilherme Guido, João Gomes Junior, Vinicius Lanza e Breno Correia

 

 

Com os sete pódios conquistados em Gwangju, o Brasil soma, agora, 44 medalhas na história dos Mundiais de Desportos Aquáticos da Fina, que são disputados em piscina longa, de 50m, a distância olímpica.

 

Principais destaques na Coreia

 

Acompanhe um resumo dos principais momentos de nossos atletas no Mundial de Gwangju, que foi marcado por algumas passagens históricas para o esporte brasileiro:

 

 

Maratonas aquáticas

 

Ana Marcela Cunha, 5 Km. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 17 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

 

Ana Marcela Cunha foi o grande nome, não apenas do Brasil, mas de todo Mundial nas maratonas aquáticas. Com o ouro nos 5km, o primeiro de toda sua carreira nesta prova, a nadadora baiana, de 27 anos, chegou à condição de maior medalhista da modalidade na história dos mundiais da FINA. Ao vencer a prova, ela superou a holandesa Edith Van Dijk, já aposentada, que até então dividia o posto de maior medalhista com a brasileira, com três ouros, duas pratas e quatro bronzes na competição.

 

 

Ana Marcela, contudo, foi além. O ouro nos 25km, prova na qual se tornou tetracampeã mundial, ressaltou a posição da brasileira como um fenômeno das maratonas aquáticas. Na Coreia, ela, pela primeira vez, conquistou dois ouros em uma única edição do Mundial e agora acumula 11 pódios em eventos da Fina, 12 no total, considerando-se a medalha de bronze no Mundial de Águas Abertas, que não é mais disputado.

 

 

“O importante é eu estar feliz. Enquanto eu estiver me divertindo com isso aqui, não brincando, mas me divertindo, porque é uma coisa que eu amo fazer, parece que fica mais fácil. Quando a gente faz o que gosta, o que te deixa feliz, acontece algo que não tem preço. Não sei explicar direito. Os resultados vão saindo”, disse Ana Marcela.

 

Natação

 

Para a natação brasileira, o Mundial de Gwangju também foi marcado por alguns momentos marcantes, um deles histórico.

 

Joao Gomes, Felipe Lima. 50m peito. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 24 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

 

Nos 50m peito, Felipe Lima e João Gomes Junior  conquistaram a prata e o bronze. Eles protagonizaram a primeira dobradinha no pódio da história do Brasil em um Mundial de piscina longa na natação e se emocionaram na cerimônia de premiação.

 

 

“É uma sensação inexplicável, incrível. Estar no pódio com dois brasileiros em uma prova tão forte como essa, os 50m peito, é magnífico”, ressaltou Felipe Lima. “É um momento indescritível. Ver uma dupla bandeira do Brasil é uma parada surreal”, reforçou João Gomes.

 

 

Com o bronze nos 50m b

Nicholas Santos. 50m borboleta. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 22 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

 

Nicholas Santos, aos 39 anos, reeditou sua condição de nadador mais velho de todos os tempos a conquistar uma medalha em Mundiais de piscina longa. Foi o terceiro pódio dele seguido, somando-se às pratas em Kazan 2015 e Budapeste 2017, na mesma prova, quando já tinha sido o mais velho da história a subir ao pódio na competição, aos 37 anos.

 

 

“Para mim é fantástico. Fico muito satisfeito, aos 39 anos, de ganhar mais uma medalha em Mundial, um bronze. Na idade em que estou, o primeiro ponto é que tive que escolher uma prova, no caso os 50m borboleta. Eu não posso nadar os 50m, os 100m borboleta, os 50m livre. Eu foquei nessa prova, pela qual eu tenho muito carinho e mais facilidade para nadar”, declarou Nicholas.

 

Etiene Medeiros. 50m costas. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 25 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

 

 

A pernambucana Etiene Medeiros foi, mais uma vez, a representante da natação feminina brasileira no pódio em Gwangju, com a prata nos 50m peito, a terceira dela seguida em mundiais, somando-se à prata em Kazan 2015 e ao ouro em Budapeste 2017, todas nos 50m peito.

 

 

Considerando os mundiais de piscina curta (25 metros, não-olímpica), competição em que acumula três ouros, uma prata e um bronze, já são seis mundiais seguidos em que Etiene vai ao pódio.

 

 

 

“São seis mundiais, tanto em longa quanto em curta, subindo no pódio e é um pensamento muito louco. Para mim, isso representa muita coisa. É muito esforço, muito treinamento. Tive que abdicar de muita coisa. Representar uma nação, representar o Nordeste, representar a mulher e o negro, em si, que a gente não vê isso fácil no esporte, é muito bom”, comemorou Etiene.

 

Bruno Fratus. 50m livre. Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos. 27 de Julho de 2019, Gwangju, Coreia do Sul. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br

Por fim, o nadador fluminense Bruno Fratus fechou a conta das medalhas do Brasil em grande estilo, com a prata nos 50m livre, a prova mais rápida da natação mundial. Com o pódio em Gwangju, ele chegou à terceira medalha seguida em mundiais de piscina longa e se firmou como um dos atletas mais velozes do planeta. O desafio, agora, é tentar subir um degrau no pódio e chegar ao ouro em Tóquio 2020.

 

 

“Essa medalha representa amadurecimento. É aprender a competir, aprender a botar a mão na parede (na chegada) antes. Essa medalha me faz me tornar um competidor melhor. Já fui sexto, já fui quinto, já fui quarto, já fui terceiro e já fui segundo. Não quero ser sétimo e nem oitavo”, avisou Fratus.

 

 

 

Mundial FINA de Desportes Aquáticos
Histórico de medalhas brasileiras

OURO

  • » Ricardo Prado – Natação/400m medley – Guayaquil (Equador) 1982
  • » Cesar Cielo – Natação /50m livre – Roma (Itália) 2009
  • » Cesar Cielo – Natação /100m livre – Roma (Itália) 2009
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /25km – Xangai (China) 2011
  • » Cesar Cielo – Natação /50m borboleta – Xangai (China) 2011
  • » Felipe França – Natação /50m peito – Xangai (China) 2011
  • » Cesar Cielo – Natação /50m livre – Xangai (China) 2011
  • » Poliana Okimoto – Maratona aquática /10km – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Cesar Cielo – Natação /50m borboleta – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Cesar Cielo – Natação /50m livre – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /25 km – Kazan (Rússia) 2015
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /25 km – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Etiene Medeiros – Natação /50 m costas – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /5 km – Gwangju (Coreia) 2019
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /25 km – Gwangju (Coreia) 2019

 

PRATA

  • » Felipe França – Natação /50m peito – Roma (Itália) 2009
  • » Poliana Okimoto – Maratona aquática /5 km – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /10km – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Ana Marcela Cunha, Allan do Carmo e Diogo Villarinho – Maratona aquática / equipe 5 km – Kazan (Rússia) 2015
  • » Nicholas Santos – Natação /50 m borboleta – Kazan (Rússia) 2015
  • » Etiene Medeiros – Natação /50 m costas – Kazan (Rússia) 2015
  • » Thiago Pereira – Natação /200 m medley – Kazan (Rússia) 2015
  • » Cesar Cielo, Bruno Fratus, Gabriel Santos e Marcelo Chiereghini – Natação 4 x 100 m livre – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Nicholas Santos – Natação /50 m borboleta – Budapeste (Hungria) 2017
  • » João Gomes Junior – Natação /50 m peito – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Bruno Fratus – Natação /50 m livre – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Felipe Lima – Natação /50 m peito – Gwangju (Coreia) 2019
  • » Etiene Medeiros – Natação /50 m costas – Gwangju (Coreia) 2019

» Bruno Fratus – Natação /50 m livre – Gwangju (Coreia) 2019


BRONZE

 

  • » Rômulo Arantes – Natação /100m costas – Berlim (Alemanha) 1978
  • » Gustavo Borges – Natação /100m livre – Roma (Itália) 1994
  • » Fernando Scherer, André Teixeira, Teófilo Ferreira e Gustavo Borges – Natação / 4 x 100m livre – Roma (Itália) 1994
  • » Poliana Okimoto – Maratona aquática /5km – Roma (Itália) 2009
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /5km – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Poliana Okimoto, Allan do Carmo e Samuel de Bona – Maratona aquática/ prova por equipe  – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Felipe Lima – Natação /100m peito – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Thiago Pereira – Natação /200m medley – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Thiago Pereira – Natação /400m medley – Barcelona (Espanha) 2013
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /10 km – Kazan (Rússia) 2015
  • » Bruno Fratus – Natação /50 m livre – Kazan (Rússia) 2015
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /10 km – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Ana Marcela Cunha – Maratona aquática /5 km – Budapeste (Hungria) 2017
  • » Nicholas Santos – Natação /50 m borboleta – Gwangju (Coreia) 2019
    » João Gomes Junior – Natação /50 m peito – Gwangju (Coreia) 2019

 

Da Redação com informações de Luiz Roberto Magalhães, de Gwangju, na Coreia do Sul – rededoesporte.gov.br