Esporte – Prêmio Paralímpicos 2017: Daniel Dias venceu pela terceira vez o prêmio de melhor atleta paralímpico masculino de uma temporada.

Daniel Dias é um dos atletas que nadará no primeiro dia
Daniel Dias venceu pela terceira vez o prêmio de melhor atleta paralímpico masculino de uma temporada. – Foto: Arquivo

O paulista André Rocha foi o grande destaque da noite de gala do Prêmio Paralímpicos 2017. Foi ele o escolhido pelo público como o “Atleta da Galera” – premiação criada neste ano e que mobilizou os atletas nas redes sociais com campanhas para conseguir votos. O nadador Daniel Dias foi selecionado o melhor atleta masculino, enquanto a judoca Alana Maldonado venceu a versão feminina da disputa. A cerimônia aconteceu na noite desta segunda-feira, 4, na Sala São Paulo. Esta foi a sétima edição do Prêmio Paralímpicos – a maior honraria do movimento paralímpico nacional.
 

 

“Os atletas cada vez mais fazem jus a uma celebração maior, uma festa proporcional às suas conquistas. Esse Prêmio Paralímpicos é o mínimo de reconhecimento que eles merecem. É um momento de muita alegria, pois acompanhamos a dedicação dos atletas, técnicos e homenagear estes grandes heróis paralímpicos. “, disse o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado.

 

 

Nascido em Taubaté, no interior de São Paulo, André sagrou-se campeão mundial do lançamento de disco F52, neste ano, em Londres. Ele conseguiu 60,31% dos votos, em pleito realizado por meio do site do Prêmio Paralímpicos. Em segundo lugar ficou a velocista Verônica Hipólito, com 22,34% e, em terceiro, Brendow Christian (17,35%), cuja especialidade são as provas de campo do atletismo.

 

 

“Fiquei surpreso, porque em meio a um número imenso de atletas eu consegui passar para a segunda fase. Não esperava, tampouco chegar até aqui. A minha cidade, Taubaté, abraçou muito essa causa e este Prêmio. Gostamos muito de esporte e foi uma corrente positiva incrível”, disse André Rocha, que era policial militar e, em uma perseguição no fim de 2005, caiu de um muro e sofreu uma severa lesão na coluna que lhe tirou os movimentos dos membros inferiores.

 

 

 

Entre as mulheres, pela primeira vez uma judoca foi escolhida. Ouro na Copa do Mundo de Tashkent, no Uzbequistão, prata no Grand Prix Internacional, em São Paulo, e ouro no Campeonato Brasileiro, a paulista de Tupã Alana Maldonado, 22, foi a principal atleta feminina da temporada.

 

 

“Estou emocionada com esta premiação. Queria agradecer à minha equipe técnica, meus colegas de treino e à minha família que me dá suporte diariamente. Muito obrigado a todos”, disse Alana, que foi diagnosticada com a doença de Stargardt aos 14 anos e disputa o judô para cegos desde 2014.

 

 

 

Patrocínio

 

 

A edição deste ano do Prêmio Paralímpicos tem patrocínio das Loterias Caixa.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da Assessoria de imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro