Esporte – Natação: Daniel Dias cumpre “meta” de medalhas dos filhos no Mundial e se emociona

Daniel Dias no pódio com o seu quarto ouro no Mundial do México – Foto: Daniel Zappe/CPB/MPIX

 

O multimedalhista Daniel Dias conquistou sua quarta medalha de ouro em quatro provas disputadas no Mundial de Natação Paralímpica, na Piscina Olímpica Francisco Márquez, na Cidade do México. Na noite desta terça-feira, 5, ele foi o melhor nos 50m nado livre da classe S5, com o tempo de 32s66.
 

 

O Brasil subiu para a quarta colocação no quadro geral de medalhas, com 12 ouros, oito pratas e seis bronzes. A China lidera com folga (20 ouros), seguida pelos Estados Unidos (14). A Itália está em terceiro com um bronze a mais que o Brasil.

 

 

Daniel Dias já havia sido o melhor nos 50m costas, nos 100m livre e no revezamento 4x100m livre, desde o sábado, 2, quando a competição teve início. Antes de desembarcar no México, Daniel deixara uma promessa aos filhos Asaph, de 3 anos, e Daniel, que completou 2 há pouco mais de dez dias. Era uma meta particular, para evitar “crise” de ciúmes entre os irmãos.

 

 

“Tem uma meta para bater lá em casa, que é levar medalha para os meninos. De preferência, duas para cada, para não gerar uma crise”, disse, com seu habitual sorriso largo, após o primeiro treino no local da competição, ainda na sexta-feira, dia 1º.

 

 

Agora que a meta foi cumprida, Daniel Dias foi lembrado pelos jornalistas na zona mista e teve de segurar as lágrimas ao falar dos filhos.
 

 

“Estou feliz com as marcas que estou fazendo aqui, ainda mais quando é pedido dos filhos, né? Para mim é uma alegria nadar por eles, tenho certeza que eles estão acompanhando a competição lá em casa. Não é fácil, a gente se dedica muito, mas é uma motivação incrível o que eles me passam. Muita gente diz que ganhar tudo pode fazer perder a graça de competir, mas com aquelas duas figurinhas lá [Asaph e Danielzinho], dificilmente isso vai acontecer. Se chegar esse dia, eu vou chegar para vocês [imprensa] e dizer: “Já deu”. Mas, por enquanto, não”, disse Daniel Dias, visivelmente emocionado.

 

 

Além de Daniel, o catarinense Talisson Glock também brilhou na noite desta terça-feira. O ouro veio nos 100m costas – prova em que ele já mostrara seu potencial em temporadas passadas. No Mundial de Glasgow 2015, ele ficara com a prata. Em Montreal 2013, sua estreia na Seleção Brasileira, fora o quarto, com apenas 18 anos. Nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016 ele deixou escapar o bronze por 56 décimos de segundos.

 

 

A história, no entanto, foi diferente na noite desta terça-feira, no México. Talisson impôs seu ritmo desde a largada. O espanhol Antoni Bertran tentou acompanhá-lo, mas após os primeiros 50 metros, o catarinense de Joinville já estava quase um corpo inteiro à frente do rival. Bateu em primeiro lugar na borda com 1min18s10. Bertran chegou com 1min20s03, seguido do italiano Antonio Fantin (1min22s18).

 

 

 

“É minha principal prova, fiz uma temporada forte em Joinville, fui campeão da última etapa do Circuito Loterias Caixa, em outubro, em São Paulo, vinha fazendo os melhores tempos do ano, sabia que entraria nessa prova para brigar, apesar de não ser os melhores tempos da vida. Tenho certeza que me preparei no lugar certo, com as pessoas certas, para voltar ao meu auge, que foi em Glasgow 2015”, citou o nadador, que foi atropelado por um trem aos 9 anos de idade, no interior de Santa Catarina, e perdeu parte do braço e perna esquerdas.

 

 

 

Para encerrar a noite de terça-feira, Joana Neves foi prata nos 50m livre (S5) e Felipe Caltran (S14), bronze nos 200m livre. Thomaz Matera fechou a participação brasileira no dia com um bronze nos 50m livre (S12).

 

 

O quinto dia de provas têm início às 13h (de Brasília), com transmissão ao vivo na página do Facebook do CPB (www.facebook.com/ComiteParalímpico). SporTV 2 transmite ao vivo a sessão da noite, a partir das 22h.

 

 

Mundial de Halterofilismo
Apenas uma brasileira apresentou-se nesta terça-feira, 5, no Mundial de Halterofilismo, que ocorre paralelamente ao de Natação, na Cidade do México. A paulista Mariana D’Andrea, na categoria até 61kg, queimou as três tentativas e terminou na 11ª posição.
 

Confira, abaixo, os resultados dos brasileiros nesta terça-feira, 5.
Daniel Dias (S5)
50m livre: Ouro

Ítalo Pereira (S7)
100m costas: Ouro

Ruan Souza (SB9)
100m peito: Ouro

Talisson Glock (S6)
100m costas: Ouro

Joana Neves (S5)
50m livre: Prata

Felipe Caltran (S14)
200m livre: Bronze

Cecília Araújo (S8)
100m costas: 4º

Patrícia Santos (SB3)
50m peito: 5º

Beatriz Carneiro (S14)
200m livre: 6º

Thomaz Matera (S12)
50m livre: Bronze
 

Patrocínio
A natação e o halterofilismo têm o patrocínio das Loterias Caixa.

 

 

Time São Paulo
Os atletas Cecília Araújo, Daniel Dias, Felipe Caltrán, Ítalo Gomes e Mariana D’Andrea são integrantes do Time São Paulo, parceria entre o CPB e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo que beneficia 56 atletas e nove atletas-guia de 10 modalidades.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da Assessoria de imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro