Copa Sul-Americana 2018 – Semifinal: Atlético Paranaense e Fluminense fazem o primeiro duelo por uma vaga na final da Sul-Americana 2018.

Copa Sul-Americana

 

 

O Atlético-PR inicia nesta quarta-feira (7) mais uma etapa na trajetória em busca do título Copa Sul-Americana. Após desbancar o Bahia nas quartas de final, o Furacão terá pela frente mais um brasileiro: o Fluminense. O palco do primeiro duelo das semifinais será a Arena da Baixada, com a bola rolando a partir das 21h45 (de Brasília).

Atlético Paranaense
Clube Atlético Paranaense (CAP) – Imagem: Portal Bragança

 

 

O Rubro-Negro é dono de uma das melhores campanhas da competição, além de figurar como um dos mandantes mais indigestos. Foram quatro jogos em Curitiba, sendo três vitórias, uma derrota e apenas dois gols sofridos. Somado a isso, está o retrospecto do confronto diante do Tricolor Carioca no gramado sintético da Arena da Baixada: três triunfos do Furacão em três partidas.

 

 

 

De acordo com o lateral-esquerdo Renan Lodi, o Atlético-PR precisa misturar agressividade e equilíbrio para não ser surpreendido dentro da sua casa.

 

 

 

 

— Vamos estudar bem o time deles, porque sabemos que o Fluminense tem grandes jogadores. O importante é a gente fazer gol e não tomar, já que esse gol fora é critério de desempate e pode facilitar para eles. Temos que ser agressivos o jogo todo, mas com bastante atenção. Sabemos que as oportunidades vão aparecer e temos que concluir em gol — disse Renan Lodi, em entrevista exclusiva ao site da CBF.

 

 

 

 

Tal atenção cobrada pelo lateral tem fundamento. O Fluminense também está entre um dos melhores anfitriões da Sul-Americana: no Rio de Janeiro, o Tricolor venceu três jogos, empatou um e foi vazado apenas uma vez. Renan ressaltou a qualidade do rival e deu ênfase à importância de o Atlético-PR deixar a Arena com alguma vantagem para o jogo de volta, no Maracanã.

 

 

 

— É um time de qualidade. Eles não perderam jogando no Rio e temos que estar atentos e preparados. Tem o Everaldo e o Luciano que estão vivendo uma boa fase. Então temos que atacar a equipe deles para tentar vencer esse primeiro jogo — disse.

 

 

 

 

Assim como boa parte do elenco atual, Renan é formado nas categorias de base do Furacão (Santos, Zé Ivaldo, Léo Pereira e Pablo são os outros representantes no time titular). Empolgado, o jogador contou que ele e os companheiros estão obcecados pelo título e  pela chance de escreverem seus nomes na história do clube paranaense.

 

 

 

— Ficamos muito felizes. Estamos desde o sub-15 no clube e passa um filme na cabeça desde que chegamos. Poder ser campeão internacional com o Atlético será marcante. Vamos trabalhar para isso, porque ficará na história do clube e nas nossas histórias. Mas antes temos que focar no Fluminense — finalizou.

 

 

 

 

 

Fluminense
Fluminense

“Fascina pela sua disciplina”, até aqui a equipe carioca tem feito jus ao seu hino. Com uma campanha regular desde a primeira fase, o Tricolor é dono do melhor aproveitamento da competição, com seis vitórias, um empate e apenas uma derrota. Uma das lideranças do grupo, o meia Sornoza revelou que o segredo está na força e na união do time.

 

 

 

– Somos muito unidos, é um grupo muito bom de trabalhar. Em situações que perdemos jogadores importantes, quem substituiu entrou bem e isso dá confiança ao nosso elenco. Mostra que todos estamos com muita vontade de ganhar esse campeonato. Temos trabalhado forte e com muita determinação. Aprendemos com as derrotas e estamos focados em conquistar esse título. Vamos lutar até o fim por isso. Nosso grupo e a torcida do Fluminense merecem – contou o jogador, em entrevista ao site da CBF.

 

 

 

A caminhada nas semifinais começa fora de casa, o que não tem sido um problema para o Fluminense na Sul-Americana. Dos quatro jogos que atuou como visitante, saiu vitorioso em três. Além disso, o clube das Laranjeiras só não balançou as redes em uma partida do torneio, ainda na primeira fase. De lá para cá já são seis confrontos com pelo menos um gol marcado. Confiante no bom desempenho da equipe, o camisa 10 falou sobre o duelo de logo mais.

 

 

 

– Agora temos que estudar o Atlético-PR, saber onde explorar os pontos fracos deles e melhorar os nossos para fazermos um bom resultado como visitantes. Esperamos uma torcida que empurra muito o time e, dentro de campo, uma equipe que sabe aproveitar as características do seu gramado, mas estamos convictos de que o trabalho foi bem feito e podemos buscar um bom resultado – analisou.

 

 

 

Ao contrário do adversário desta noite, que eliminou o Bahia nas quartas de final, o Flu encara pela primeira vez, nesta edição do torneio, um time brasileiro. Em 2018, Tricolor e Furacão já se enfrentaram em duas ocasiões, com uma vitória para cada lado. O equilíbrio dos encontros recentes deve se repetir nesta quarta-feira.

 

 

 

 

– Acho que a vantagem de jogar contra um time brasileiro é que os times se enfrentam com maior frequência, se conhecem mais, a distância da viagem, às vezes, é menor, nosso descanso é maior. E a desvantagem é que o confronto fica mais equilibrado, um jogo de paciência para sair com a vitória – encerrou.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da CBF