Copa Sul-Americana 2017: Ponte Preta e Gimnasia y Esgrima La Plata da Argentina ficam no Zero em Campinas

Ponte Preta
Ponte Preta

 

A Ponte Preta não conseguiu fazer valer o mando de campo e ficou apenas no 0 a 0 com o Gimnasia y Esgrima La Plata da Argentina, pela primeira fase da Copa Sul-Americana. O resultado sem gols em Campinas, no estádio Moisés Lucarelli, marcou o retorno de Renato Cajá, que atuou os 90 minutos, ao time titular. No final de semana, contra o Santos, ele entrou no segundo tempo e aos poucos deve assumir sua vaga como camisa 10 do time.

 

 

 

Além de William Pottker, que já acertou com o Internacional e provavelmente não estará mais na Ponte Preta para o jogo de volta na Argentina, Gilson Kleina perdeu também o atacante Lucca, que recebeu o cartão vermelho por reclamação. O primeiro é artilheiro do Campeonato Paulista com oito gols e o companheiro vem logo atrás, com sete. Já o Gimnasia saiu de campo com a cabeça erguida, já que levou a decisão para La Plata.

 

 

 

 

A primeira grande oportunidade aconteceu já aos três minutos de bola rolando. Pottker foi lançado pela direita, ganhou da marcação na velocidade e arriscou contra o goleiro Alexis Martín, que fez a defesa em dois tempos. O apoio da torcida era fundamental para a Ponte Preta dominar completamente o primeiro tempo. Se não encontrava espaços, o time da casa arriscava de fora da área.

 

 

 

 

Mas as duas principais oportunidades da etapa inicial saíram dos pés de Renato Cajá. Na primeira o camisa 10 dominou no meio de campo, caminhou com certa liberdade, ajeitou a perna direita e soltou pé. A bola foi com muito efeito, mas Martín apareceu novamente e jogou pra escanteio. Na cobrança, ele mesmo tentou marcar olímpico, mas o goleiro acompanhou a trajetória para afastar.

 

 

 

 

Como o Gimnasia não esboçou nenhum perigo no primeiro tempo, Gilson Kleina mudou o esquema da Ponte Preta nos vestiários. O atacante Clayson entrou na vaga do volante Jadson e o time da casa se soltou mais, mas também deu mais espaço aos argentinos. Gustavo Alfaro fez a leitura do jogo e subiu a marcação para o segundo tempo na saída de bola dos campineiros. O time passou a assustar Aranha em bolas alçadas na grande área.

 

 

 

 

Em resposta, a Ponte tentou o arremate de fora e a bola bateu no braço do adversário. O árbitro marcou a falta no bico da grande área, pelo lado esquerdo. Renato Cajá foi para a cobrança e balançou a rede, mas pelo lado de fora. Os torcedores que estavam nas cadeiras cativas do estádio Moisés Lucarelli chegaram a comemorar o gol, mas perderam o ânimo quando ela tocou a placa de publicidade.

 

 

 

 

Precisando reagir, Gilson Kleina tirou Lucca e colocou o jovem Yuri. O atacante da Ponte Preta deixou o gramado reclamando com a arbitragem e não deixou de protestar quando já estava no banco de reservas. Gustavo Murillo não perdoou e o expulsou: desfalque para o jogo na Argentina. Desestabilizado, o time da casa não conseguia mais pressionar o Gimnasia, que aos poucos foi ganhando campo, mas também não marcou.

 

 

 

 

A Ponte Preta volta a campo na próxima segunda-feira, pelas quartas de final do Campeonato Paulista. Depois de vencer o primeiro jogo por 1 a 0 no Moisés Lucarelli, agora o time de Gilson Kleina decide a classificação contra o Santos no Pacaembu, às 20 horas. Pela Sul-Americana, o jogo de volta com o Gimnasia La Plata será apenas no dia 9 de maio, no Estádio Del Bosque, em La Plata, na província de Buenos Aires.

 

 

 

 
Da Redação com informações da FPF