Copa São Paulo de Futebol Júnior 2017 – Copinha: Chapecoense volta a disputar um campeonato após a tragédia que vitimou a equipe principal e sua comissão técnica.

Técnico da Chapecoense sonha com conquista e relembra amizade com Caio Júnior

 

A Chapecoense voltará a entrar em campo nesta terça-feira (3). Será a primeira partida do clube catarinense após o acidente que vitimou elenco, comissão técnica e diretoria do clube antes da final da Copa Sul-Americana de 2016. Cercada de expectativa, a participação da equipe na Copa São Paulo de Futebol Júnior contará com o comando de Emerson Cris, que quer usar o aprendizado que teve com Caio Júnior para alcançar o sucesso com os meninos.
 

 

 

As histórias de Emerson Cris e Caio Júnior, técnico falecido no acidente, começaram a se cruzar a partir de 1997. Artilheiro e ídolo do Paraná, o artilheiro Caio conduzia o clube a inédita conquista do pentacampeonato estadual, enquanto o garoto Emerson dava seus primeiros passos no futebol profissional atuando como volante da equipe.

 

 

 

 

 

Cinco anos depois, Emerson Cris já era um meio-campista mais experiente e um dos líderes do elenco tricolor em uma campanha marcada por altos e baixos no Campeonato Brasileiro, mas que teve na chegada do então treinador Caio Junior um alicerce para a continuidade na divisão de elite. O Paraná terminou a competição na 22ª colocação com 28 pontos, uma posição acima da Portuguesa, primeira equipe da zona de descenso.
 

 

 

“Minha relação com o Caio Júnior começou com muita inspiração, afinal aquele time do Paraná fez história com os cinco títulos paranaenses seguidos e a idolatria que os torcedores tinham por ele. Depois veio a salvação do rebaixamento já com ele como técnico. Ali a amizade era cada vez mais evidente”, ressaltou Emerson.

 

 
Em 2005, o treinador do sub-20 do time catarinense foi preponderante para a chegada de Caio Júnior ao Gama (DF) na disputa do Campeonato Brasileiro da Série B. O conhecimento e a amizade fizeram o então volante indicar o comandante para o presidente do clube do Distrito Federal.

 

 

 
Foi onze anos depois, porém, que essa relação de amizade ganhou traços de uma grande história para o futebol nacional. A saída de Guto Ferreira da Chapecoense no inicio do Campeonato Brasileiro de 2016 atrelada à necessidade da agremiação de manter um perfil de trabalho renovador no comando do clube fizeram com que Emerson Cris mais uma vez fizesse coro pela contratação de Caio Júnior.

 

 

 

 
“Evidentemente que por eu ser apenas o treinador da base, não me deram o potencial para cravar o Caio como treinador do clube, mas sempre comentava das qualidades dele como profissional e pessoa. Um homem íntegro que tinha tudo para continuar com a evolução da Chapecoense no cenário nacional e internacional”, revelou o técnico.

 

 

 

 
Caio Júnior sempre foi um adepto da utilização dos jogadores oriundos das categorias de base, tanto que o clube planejava alçar ao time profissional aproximadamente cinco atletas para a próxima temporada. “Eu conversava muito com o Caio e tínhamos uma grande confiança nesse trabalho de integração. Aprendi muito com ele desde a época de jogador e quando nos deparamos na mesma função na área técnica, minha admiração cresceu ainda mais. Em nossas conversas, já havíamos até traçado o plano para que alguns atletas fizessem parte do time profissional em 2017”, destacou Emerson Cris.

 

 

 

 

Acidente na Colômbia

 

 

O dia 29 de novembro de 2016 ficou marcado pelo desastre envolvendo a delegação da Chapecoense e jornalistas que tinham o destino da Colômbia para a final da Copa Sul-Americana. Para funcionários da Chapecoense que não estavam no voo, o momento mais devastador de suas vidas.

 

 

 

“A Chapecoense é uma grande família. Todos se conheciam e se respeitavam como amigos e como parte de um grupo que tinha o objetivo de levar o clube para um lugar de sucesso. A notícia foi chocante, afinal praticamente todos nossos companheiros nos deixaram de uma só vez. Fiquei completamente desolado, afinal além de todas as perdas, uma das minhas maiores inspirações e amizades me deixour”, contou o treinador da Chapecoense falando do seu tutor.

 

 

Aprendizado e sonho na Copa São Paulo

 

 

 

Esta será a primeira competição da Chapecoense pós-tragédia e também o primeiro momento onde Emerson Cris não terá a possibilidade de consultar o professor Caio Júnior. “É triste saber que um cara tão querido não está mais conosco. Sempre conversamos e ele queria saber dos meninos e a evolução do trabalho. Agora as coisas vão caminhar de outra maneira, mas precisamos reconstruir essa história e tenho certeza que o Caio Junior vai dar muita sorte lá de cima”, brincou o saudosista comandante ao lembrar do amigo.

 

 

 

 
Sobre a possibilidade de iniciar essa reconstrução com uma conquista, Cris não negou o sonho de começar esse processo fazendo história. “Seria mais um capítulo importante dessa história linda da Chapecoense. Eu digo para esses garotos que nós podemos ser parte de tudo isso e nossa trajetória de sucesso com a Chapecoense começa aqui em Porto Feliz ( sede do clube na Copa São Paulo de Futebol Junior”, finalizou Emerson Cris.
 

 

 

A Chapecoense (SC) enfrenta nesta terça-feira, às 15h30, o Nova Iguaçu (RJ) pela primeira rodada da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no Estádio Rocco, em Porto Feliz.

 

 

 
Da Redação com informações da FPF