Circuito Brasileiro Open de Vôlei de Praia 2019 – Etapa de Cuiabá: Ana Patrícia e Rebecca fecham 2019 com título em Cuiabá e vaga olímpica

Rebecca (esq) e Ana Patrícia exibem orgulhosas o ouro (Créditos: William Lucas/Inovafoto/CBV)
Rebecca (esq) e Ana Patrícia exibem orgulhosas o ouro (Créditos: William Lucas/Inovafoto/CBV)

 

Os times classificados aos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 brilharam na etapa de Cuiabá (MT) do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia 2019/2020. Neste domingo, horas após o ouro de Alison/Álvaro Filho (ES/PB), foi a vez de Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE), também futuras representantes olímpicas, ficarem com o título ao superarem na decisão Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 1 (15/21, 21/15, 15/11), na arena montada ao lado do ginásio Aecim Tocantins, fechando uma semana perfeita.

 

 

A conquista fecha a temporada de Ana e Rebecca, que não participarão da etapa de Ribeirão Preto (SP) do Circuito Brasileiro, em novembro. A dupla começou o ano mais cedo que as adversárias, disputando torneios no início de janeiro, e após Cuiabá (MT), terá um período de férias. Ana Patrícia comentou a vitória de virada na final, na base da superação, já que além do calor, a bloqueadora teve um pequeno problema muscular antes da competição.

 

 

 

“Saímos de casa com o objetivo de levar o título. Tive a infelicidade de sofrer uma distensão da lombar e ficar sem poder treinar mais de uma semana, mas contei com a força de todos lá do nosso Centro de Treinamentos e acreditei que poderíamos fazer um grande resultado, e não foi diferente. Agora vamos aproveitar as férias, chegou o momento de descansarmos, nos organizar e planejar o próximo ano para chegar em Tóquio no nosso melhor voleibol”, disse.

 

 

A campanha de Ana e Rebecca em Cuiabá contou com seis vitórias em seis jogos. É o sétimo título de etapa nacional do time (seis no Circuito Brasileiro e um SuperPraia). Rebecca analisou como a equipe conseguiu a virada na partida e ressaltou a boa comunicação do time.

 

 

“A gente sabia que o jogo contra a Fernanda e a Bárbara seria muito difícil, sempre é complicado. O calor estava bastante intenso durante o jogo e começamos atrás no primeiro set e não estávamos conseguindo nos comunicar direito. No final do primeiro set nós conversamos, decidimos por fazer o básico, uma coisa de cada vez, esquecer o erro e entrar no jogo. E isso deu certo. No terceiro set foi a mesma coisa, então foi uma partida bonita para a torcida, que fez muito bem o papel, ficou dividida entre as duas duplas. Estou muito feliz com o resultado, saímos daqui bem satisfeitas”, destacou.

 

 

A medalha de bronze da etapa ficou Tainá e Victoria (SE/MS), que superaram Carolina Horta e Ângela (CE/DF) por 2 sets a 1 (21/15, 18/21, 11/15) na quadra 2. Tainá comentou o bom resultado e o retorno do time ao pódio no tour nacional.

 

 

“Uma parceria é muito mais do que uma dupla dentro de quadra. É preciso conhecer bem seu parceiro para saber como lidar em situações difíceis, como a que tivemos no jogo de hoje. Isso faz a diferença, não basta ter bom relacionamento, é necessário entender como o outro atleta reage e o que ele precisa fazer para mudar o jogo. Essa afinidade dentro e fora de quadra nos favorece e acho que muitas vezes faz com que vençamos os jogos”, disse.

 

 

O próximo desafio das duplas pelo Circuito Brasileiro 19/20 acontece de 20 a 24 de novembro, em Ribeirão Preto (SP). Depois, mais quatro eventos serão realizados no primeiro semestre de 2020, nas cidades de João Pessoa (PB), Maceió (AL), Aracaju (SE) e Rio de Janeiro (RJ). O SuperPraia 2020, evento ‘Finals’, ocorre em Itapema (SC). A estreia do tour aconteceu em Vila Velha (ES), em setembro, com ouro para Ágatha/Duda (PR/SE) e André Stein/George (ES/PB).

 

 

 

Além das duplas campeãs de cada etapa, também existem os campeões gerais da temporada, somando a pontuação obtida nos sete eventos. Cada etapa do Circuito Brasileiro distribui R$ 46 mil às duplas campeãs dos dois naipes, e todos os times na fase de grupos são premiados. Ao todo, são distribuídos mais de R$ 500 mil por etapa.

 

 

Da Redação com informações provenientes da CBV