Campeonato Paulista 2017 – Série A3: Conheça um pouco mais do “Técnico-Gerente” Léo Silvério que impulsionou a campanha do Atibaia.

Conheça um pouco mais do “Técnico-Gerente” Léo Silvério que impulsionou a campanha do Atibaia.

 

Contratado como gerente de futebol no início da temporada, Léo Silvério assumiu o comando do Atibaia há três rodadas e conquistou três vitórias, tirando o time da zona de rebaixamento do Paulistão A3 e colocando-o na 12ª posição, com 10 pontos, um a menos que o Monte Azul, que está no G8. Efetivado na última quinta-feira (02), ele será o treinador mais novo nas três principais séries do Estado de São Paulo.
 

 

A identificação do treinador com o clube já é de longa data. Quando o Atibaia conquistou o acesso na Segunda Divisão, em 2013, ele já trabalhava como gerente de futebol da agremiação. Em 2014, assumiu o comando técnico da equipe na Série A3 e levou o clube ao inédito acesso no campeonato, apesar do time não ter jogado a Série A2 no ano seguinte por problemas no estádio. Ele deixou o clube somente no segundo semestre do último ano, quando trabalhou como dirigente do Penapolense na Copa Paulista.

 

 
“Sou um cara que jogou bola por muito tempo e parei há cinco anos. Comecei minha carreira como gerente. Por gostar muito desse esporte, sempre me interessei muito. Apareceram essas oportunidades (de ser técnico) e, por ser um cara bem atuante, conhecer e ser amigo de todos os jogadores, conversar bastante e entender os problemas deles, tive essa facilidade na beirada do campo. Os jogadores correm pela gente, pelo companheirismo”, disse.

 

 

 
O bom relacionamento também se estende a outros departamentos do clube. “Já conheço todos os funcionários, toda a logística. E isso tudo é mais fácil para trazer o time. Esses fatores, sem dúvidas, contaram para que fosse efetivado como treinador.

 

 

 
Apesar do sucesso como treinador, Léo acredita que seu futuro no mundo do futebol é como gerente. “Procuro sempre ajudar. O clube passa por dificuldades com a saída do técnico esse ano. Importante é sempre dar o auxílio no lugar onde se está trabalho e isso que eu venho fazendo. Sou um gestor que pode acumular funções”, comentou.

 

 

 
Pouca idade

 

 

Aos 31 anos, o treinador acredita que sua juventude está ajudando. “Como parei de jogar há pouco tempo, ainda conheço e falo a língua dos jogadores. Sei o que gostam e o que não gostam, onde se sentem bem e onde não. Procuramos unir tudo isso para fazer dar certo. Trouxemos o grupo para gente”, avaliou.

 

 

 
Crescimento no campeonato

 

 

 

Conversa. Essa foi a palavra-chave para que o time deixasse a campanha nas quatro primeiras rodadas, quando só conquistou um ponto. “Foi a filosofia da união. Conversei bastante com o grupo. Temos um elenco bem experiente e vencedor. Fiz com que eles se unissem. Sabia que poderíamos estar em um lugar melhor. E eles corresponderam. Fizeram com o que a equipe chegasse”, ponderou.
 

 

 

Apesar do bom momento, o comandante afirma que o primeiro objetivo ainda é escapar do descenso. “Queremos chegar à pontuação para não cair, só depois disso que vamos pensar na classificação para a segunda fase. Calculamos chegar aos 23 pontos para não correr nenhum risco”, emendou.
 

 

 

A próxima partida da equipe é neste sábado (04), às 18h, contra o São Carlos fora de casa pela oitava rodada do Paulistão A3. “Trabalhei com Luiz Muller (técnico adversário) por três anos e foi um grande professor. Sei será um jogo duro, mas espero que a gente saia com o resultado positivo”, encerrou.

 

 

 

 

Da Redação com infomações provenientes da FPF