Campeonato Brasileiro 2015 – Brasileirão: CBF realiza Assembléia e cede as pressões dos Clubes e termina com super-mandatos.

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (11/06/2015) Créditos: CBF
ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (11/06/2015)
Créditos: CBF

 

 

Após o escândalo que abalou o futebol mundial, e que prendeu o ex-presidente da CBF – José Maria Marin na Suíça, e precisando dar uma resposta a população e principalmente contornar e sobreviver às pressões dos que pedem a saída do atual comando do futebol Brasileiro, a  CBF realizou, nesta quinta-feira, a Assembléia Geral Extraordinária com os presidentes de todas as 27 federações de futebol do Brasil. O principal objetivo do evento foi a votação de alterações no Estatuto da CBF, e assim cedendo as pressões dos principais Clubes Brasileiros.

 

 

O presidente da Federação Tocantinense de Futebol (FTF), Leomar Quintanilha, foi escolhido pelos colegas para presidir a Assembléia Geral, e liderou os trabalhos. Por isso, ocupou a cadeira principal da Sala das Federações, no 4º andar da sede da CBF. A reunião contou com a participação de 47 pessoas, entre dirigentes estaduais, vice-presidentes e diretores da CBF.

 

 

 

Entre as propostas de mudanças estatutárias propostas pelo presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e aprovadas pelos membros da Assembléia em três horas de diálogo e debate, destacam-se:

 

 

  • Mandato de quatro anos para os cargos de presidente e vice-presidentes da CBF, com possibilidade de apenas uma reeleição (valendo já para o presidente Marco Polo);
  • Criação da Comissão Nacional de Clubes, com nove representantes (cinco da Série A, dois da Série B, um da Série C e um da Série D);
  • Criação do Conselho Consultivo para nomeação e dispensa de membros de comissões e comitês, com cinco presidentes de federações de cinco regiões diferentes do Brasil;
  • Obrigatoriedade de reunião mensal da Diretoria da CBF, que deve ser registrada em ata;
  • Reunião de Conselhos Técnicos, com participação dos clubes, para todas as competições organizadas pela CBF;
  • Mais autonomia para Conselhos Técnicos decidirem questões como regulamento específico das competições, sistema de disputa, preço de ingressos, entre outras;
  • Criação da Comissão de Ética para elaboração do Código de Ética da CBF;
  • Criação do Comitê de Governança Corporativa e Conformidade, recomendação da Ernst & Young, empresa de consultoria na área de gestão contratada em 22 de maio de 2015;
  • Criação do conjunto de Normas para Licenciamento de Clubes.

 

 

 

Fonte: Da Redação com informações de Agências de Notícias Nacionais e da CBF