Cultura: O ator Christopher Lee que representou grandes papéis na grande Tela morreu aos 93 anos

Christopher Lee
Christopher Lee

 

 

Christopher Lee, que imortalizou no cinema o conde Drácula, o mais famoso vampiro da história, personagem criado pelo escritor Bram Stoker, morreu no domingo, aos 93 anos. A morte do ator foi divulgada nesta quinta-feira (11). Ele também fez o vilão Saruman, da saga
“O Senhor dos Anéis”.

 

 

Filho de um militar e uma condessa de origem italiana, nascido em Londres em 27 de maio de 1922, Lee se tornou famoso em todo o mundo por sua interpretação do lendário vampiro em 11 filmes, o primeiro deles em 1958. A estreia no cinema foi em 1947, aos 25 anos. Antes do cinema, ele fez parte da Força Aérea Real durante a Segunda Guerra Mundial, inclusive na invasão aliada da Itália.

 

 

 

 

A morte provocou reações de pêsames, começando pelo prefeito de Londres, Boris Johnson, que saudou “um dos maiores atores britânicos e mestre do terror”. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que está “triste” com a morte de “um titã da idade de ouro do cinema e um veterano da Segunda Guerra Mundial”.

 

 

 

 

Apoiado em sua imponente presença – 1,95m – e voz profunda, Lee se especializou em personagens malvadas, de Scaramanga no filme da saga James Bond, “007 contra o homem da pistola de ouro” a Saruman, em “O Senhor dos Anéis”, passando pelo conde Dookan em dois episódios de “Guerra nas Estrelas”.

 

 

 

Vozes e línguas

 

 

 

Ele era fluente em cinco línguas: inglês, italiano, francês, espanhol e alemão. Lee também se comunicava em sueco, russo e grego, além de ter conhecimentos de mandarim. Seus atributos de cantor também foram registrados em trabalhos de ópera e bandas de metal.

 

 

 

O ator recebeu em 2009 o título de “sir” da coroa britânica em reconhecimento por sua carreira de várias décadas, com mais de 250 filmes e produções de TV.

 

 

 

 
Fonte: Da Redação com informações de Agências de Notícias Internacionais e da RFI