Carnaval 2016: Blocos levam 300 mil pessoas às ruas em segundo dia do pré-carnavalna Capital Paulista

Monobloco na Avenida Pedro Alvares Cabral - Foto: Fernando Pereira/SECOM
Monobloco na Avenida Pedro Alvares Cabral – Foto: Fernando Pereira/SECOM

 

 

 

No segundo dia do pré-carnaval paulistano, blocos atraíram mais de 300 mil pessoas para as ruas da cidade. Durante a noite de sábado (30) e neste domingo (31), 63 grupos animaram todas as regiões da cidade. Somente no domingo foram onze desfiles na zona leste, oito na zona norte e cinco na zona sul, além de 14 na subprefeitura Pinheiros e 11 na região central. Dados da São Paulo Turismo mostram que 92% dos foliões percebeu melhorias na organização da festa.

 

 

 

No total, o fim de semana de pré-carnaval atraiu 410 mil pessoas. O Observatório de Turismo da SPTuris está entrevistando este público para conhecer o perfil dos foliões e sua opinião sobre a estrutura organizada para este ano. Dados preliminares mostram que quase todo o público (97%) é formado por pessoas que moram em São Paulo e que a ampla maioria (71%) escolheu ficar na cidade para curtir a festa. O perfil aponta também para uma maioria de mulheres (67%). Outra novidade desta pesquisa é que uma parcela grande do público (64%) se animou a participar do carnaval de rua pela primeira vez em 2016. Quase todos os entrevistados (98%) opinam que a Prefeitura deve continuar apoiando a festa, cujo crescimento foi apontado por 81% dos participantes do estudo.

 

 

 
Sobre a estrutura preparada para o pré-carnaval, 91% dos entrevistados relataram que se sentem seguros, 93% avaliaram positivamente a organização do bloco, 66% acreditam que os banheiros são suficientes e 87% viram ambulâncias para atendimento. A limpeza também foi elogiada: 93% apontaram que as ruas estavam limpas para a passagem do bloco. O acesso ao local dos desfiles também agradou, porque 93% do público relatou que chegou com facilidade ao local e 90% teve facilidade de circular pelas ruas. A festa neste final de semana de pré-carnaval contou com o monitoramento da Central de Operações, que reúne representantes de 14 secretarias municipais e da Polícia Militar.

 

 
Os amigos Alex Ribeiro, 25 anos, e Alexandre Deliperi, 24 anos, estão entre os foliões que perceberam melhorias na organização de 2016. “A localização aqui no Ibirapuera é bem melhor, porque não é residencial. E é mais fácil de chegar. O carnaval tem que ser na rua e aqui estamos em um dos ícones da cidade. E também a festa está bem melhor do que nos bailes fechados”, opina Alexandre, que mora no Jardim Santa Adélia, na zona sul. “A organização está de parabéns, foi um ótimo trabalho”, completa Alex, que veio de Santo André, no ABC paulista, para aproveitar o pré-carnaval.

 

 
A programação deste domingo (31) teve a estreia no carnaval de São Paulo do grupo carioca Monobloco, que animou mais de 40 mil pessoas na região do Ibirapuera. Lá a folia começou com concentração no Obelisco do Ibirapuera às 10h e seguiu pela avenida Pedro Álvares Cabral. O grupo colocou o público para dançar ao som de 160 percursionistas, quatro cantores, um cavaco e uma guitarra, que tocaram um repertório que mistura ao samba diversos ritmos musicais. Não faltaram também marchinhas de carnaval tradicionais, como “Mamãe eu Quero” e “Me Dá Um Dinheiro Aí”.

 

 
A apresentação atraiu o público jovem e também famílias. Adilson Luiz Orlando, 41 anos, levou sua filha Ana Clara, 8 anos, para conhecer a tradição do carnaval de rua. “Eu sou paulistano da gema, nasci no Ipiranga, e é muito bom ver aquele carnaval de antigamente aparecer de novo, com aquela festa que a gente fazia na rua. Vim com a minha esposa e a minha filha e a segurança está boa. É um carnaval de todas as tribos, de todas as idades, dá orgulho de ver”, conta Adilson.

 

 
O bloco com maior público neste domingo (31) foi o Acadêmicos do Baixo Augusta, que atraiu 90 mil foliões ao desfile na rua da Consolação, na região central da cidade. O bloco foi criado por donos e freqüentadores de casas noturnas da região da rua Augusta. O grupo tem o cantor Wilson Simoninha como puxador de samba, o escritor Marcelo Rubens Paiva como porta-estandarte, a atriz Alessandra Negrini como rainha da bateria e é apadrinhado pela cantora Tulipa Ruiz.

 

 
Além dos blocos, o pré-carnaval têm também neste final de semana atrações no palco do Largo da Batata, em Pinheiros, montado pela Secretaria Municipal de Cultura. Das 18h às 23h30, haverá apresentação da Banda Carnavalesca Macaco Cansado (18h) e dos blocos Bastardo (20h) e Quizomba (22h).

 

 
Banheiros

 

 

Neste domingo (31), o público do carnaval de rua contou com 271 banheiros químicos, sendo 47 adaptados para pessoas com deficiência. Ao todo, durante todo o período de carnaval serão disponibilizadas 8.108 diárias de banheiros químicos, cerca de 40% a mais comparado a 2015, quando foram disponibilizados aproximadamente 3 mil.
 

 

Fiscalização

 

 

 

A Prefeitura também disponibilizou cerca de 130 agentes para fazer a fiscalização nas ruas, primordialmente em relação a ambulantes, cumprimento da Lei Cidade Limpa e ao fechamento de bares após a 1h.

 

 

 

Neste domingo (31) foram apreendidos 50 sacos de mercadoria irregular, nas subprefeituras Lapa e Sé.
 

 

Saúde e segurança

 

 

Neste domingo (31), a Central de Atendimento do SAMU recebeu 11 chamadas originadas de foliões.
 

 

A Guarda Civil Metropolitana acompanhou as festividades neste sábado (31). As áreas com maior quantidade de blocos, nas subprefeituras da Sé, Pinheiros e Vila Mariana receberam um efetivo de 197 guardas, que apreenderam 2.125 itens de comércio irregular.
 

 

Trânsito

 

 

Durante a operação de trânsito neste domingo (31) também não foram registradas ocorrências graves. A Companhia de Engenharia de Tráfego trabalhou com 355 agentes para a fiscalização e orientação dos blocos, auxiliados por 170 viaturas. Até às 16 h de domingo (31), a Central de Operações da companhia registrou trânsito normal nas regiões com maior adensamento de foliões, caso das avenidas Santos Dumont (zona norte) e Pedro Alvares Cabral (zona sul). No mesmo horário, a cidade apresenta índice de congestionamento de quatro quilômetros.
 

Limpeza

 

 

Na região da subprefeitura da Sé foram recolhidas neste sábado (30) 19,5 toneladas de lixo, com a utilização de 22 contêineres com capacidade de mil litros e 15 pontos de entrega voluntária (PEVs). A limpeza das ruas foi realizada com 122 metros cúbicos de água de reúso e 720 litros de desinfetante. No total, 225 profissionais trabalharam auxiliados por 15 caminhões, cinco triciclos, cinco bicicletas, dois carros elétricos e oito caminhões-pipa.
 

 

 

Na região de Pinheiros, 210 profissionais trabalharam no sábado (30) na limpeza das ruas que receberam blocos e coletaram 46,5 toneladas de lixo. A limpeza empregou 87 metros cúbicos de água de reúso e 450 litros de desinfetante. Auxiliaram os trabalhos 23 caminhões basculantes habitáculos, compactadores, pipas, veículos leves e motos.

 

 

 
Em todo o Carnaval, a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) disponibilizará uma equipe de 2.100 funcionários para a limpeza das ruas que receberão 355 blocos. Serão realizadas limpeza e lavagem de vias, coleta de resíduos de varrição e domiciliar, além de limpeza de bocas de lobo.

 

 

 

 

Da Redação com informações da Secretaria Executiva de Comunicação da Prefeitura de São Paulo