Bragança Paulista – Transporte: Empresa do Transporte Urbano de Bragança propõe colocar 30 ônibus usados de 2014 em vez dos novos prometidos.

Empresa do Transporte Urbano de Bragança propõe colocar 30 ônibus usados de 2014 em vez dos novos prometidos.

 

 

Na tarde da última terça-feira (10/10), os membros da Comissão Permanente de Justiça, Redação, Defesa do Meio Ambiente e do Consumidor receberam o gerente de engenharia da empresa Nossa Senhora de Fátima Auto-Ônibus, Luiz Antônio Duarte, para discutir o contrato de concessão do transporte público municipal. Duarte apresentou a atual proposta encaminhada pela empresa ao Executivo e explanou sobre a atual situação da concessionária no município.
 

O vereador Claudio Moreno foi quem solicitou a presença de representantes da empresa à Câmara. Claudio havia sugerido a convocação do gerente administrativo, José Luiz Rodrigues. Os demais membros da Comissão optaram pelo convite. Com a ausência de Rodrigues, Cláudio deixou sua opinião. “Eu lamento a ausência do diretor e deixo aqui o meu repúdio a essa atitude. Infelizmente segue o desrespeito desta empresa com o Legislativo e o usuário. Ele [José Luiz Rodrigues] deveria ter comunicado à assessoria que enviaria um representante, em nenhum momento isso foi dito”, frisou.

 

 

Dentre os principais questionamentos, Claudio citou o não cumprimento do contrato e do acordo recentemente firmado com o Executivo que previa a entrega de dez ônibus novos até 30 de setembro. O vereador ainda perguntou a respeito dos ônibus reservas e da supressão de linhas sem aviso prévio ao Executivo.

 

 

Duarte explicou as dificuldades que a empresa vem passando, especialmente pela queda de faturamento, de usuários e a dificuldade para obtenção de créditos. O engenheiro apresentou então o acordo proposto ao Executivo.

 

 

“Visando à redução dos prazos e resolvendo de uma vez a questão da atualização da idade média da frota em uso, a empresa propõe à Administração a compra de 30 ônibus do tipo urbano ano 2014, para entrar em circulação entre 30 e 60 dias”, diz trecho do documento apresentado ao Executivo em 3 de outubro como contraproposta da empresa. O novo acordo segue sob análise do Executivo, que aguarda o retorno do prefeito licenciado, Jesus Chedid, para que apresente um posicionamento.

 

 

Claudio Moreno foi favorável a proposta. “Quanto antes colocarem esses ônibus em circulação, melhor para a população”, afirmou. O vereador, porém foi incisivo em cobrar uma postura da empresa. “Vocês não estão cumprindo o contrato. Está faltando sensibilidade de vocês. Esse grupo de ônibus é um dos maiores do Brasil”, afirmou.

 

 

“A concessão me exige uma idade média dos veículos de seis anos, com a compra dos 30 ônibus seminovos estaremos atendendo o contrato. A contraproposta está nas mãos da Prefeitura. Temos ônibus reservas. O contrato fala em 88 ônibus, temos 100. Então são 12 reservas”, explicou Duarte.

 

 

O engenheiro também comentou a dificuldade para manutenção dos veículos. A Prefeitura recentemente fez a apreensão de 13 veículos que estavam sem condições para circular. Com a chegada dos 30 ônibus seminovos ele acredita que não haverá mais problemas com a frota.

 

 

Em resposta ao vereador Claudio Moreno, Duarte afirmou que a Prefeitura também não cumpriu tudo o que estava previsto no contrato. “Nós estamos sem aumento de tarifa desde 7 de fevereiro de 2016. O contrato prevê atualização anual. Já chegamos a ficar dois anos e meio sem aumentos, isso foi dando um déficit na empresa”, disse.

 

 

Os demais membros da Comissão e outros vereadores também questionaram a supressão de linhas, falta de horários para alguns bairros e a má conservação da frota. Uma munícipe também questionou a falta de linhas para o conjunto habitacional Marcelo Stéfani.

 

 

“Estamos tentando fazer o máximo, mas é impossível com a frota e custo atual de manutenção”, afirmou Duarte. Em relação à supressão de linhas ele afirmou “todos os horários tem fiscalização da Prefeitura, suspensão de linhas sem autorização não há. Há como saber todas as linhas e horários no site da empresa ou aplicativo”.

 

 

O vereador Marcus Valle também fez uma reclamação em relação ao serviço de atendimento ao consumidor, que considerou quase inexistente. O representante da empresa concordou com a dificuldade. Claudio Moreno também insistiu que a Prefeitura deveria aplicar multas em vista do não cumprimento do contrato e retomou a iniciativa da convocação do gerente administrativo.

 

 

“Sabemos da dificuldade financeira, mas contrato ainda está em vigor. Espero que o acordo seja acertado. A população está sofrendo”, reforçou o presidente da comissão, vereador Marcolino.

 

 

Ao fim das discussões, Marcolino solicitou ao engenheiro que encaminhe formalmente à Comissão a depreciação da quantidade de passageiros, os pontos não cumpridos do contrato por parte da Prefeitura, a tabela de reajustes de 1999 a 2016 e outros documentos que julgarem pertinentes para análise do Legislativo.

 

 

Participaram da discussão os vereadores Marco Antonio Marcolino, Claudio Moreno, Basilio Zecchini Filho, Ditinho Bueno do Asilo e Marcus Valle, membros da Comissão, além da presidente Beth Chedid, Antonio Bugalu, Dr. Claudio, Moufid Doher, Natanael Ananias, Quique Brown e Sidiney Guedes. O secretário de Mobilidade Urbana, Manoel Botelho também acompanhou a comissão.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes do Departamento de Comunicação Institucional da Câmara Municipal de Bragança Paulista