Bragança Paulista: Programa de DST da prefeitura de Bragança promoveu dia de mobilização contra a sífilis

Programa de DST da prefeitura de Bragança promoveu dia de mobilização contra a sífilis

 

A atividade foi decorrente da Semana Paulista de Mobilização Contra a Sífilis, que aconteceram entre 24 a 28 de abril. O programa de DST do município em parceria com a Universidade São Francisco e com o suporte da Prefeitura de Bragança Paulista, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, Divisão de Vigilância Epidemiológica e Controle de Doenças, ofereceu ao público na manhã da última quinta-feira (27), um teste rápido no estande colocado na Praça da Bíblia das 7h às 17h.

 

 

 

 

 

Os envolvidos nesta ação foram todos os funcionários do CTA – Centro de Testagem e Aconselhamento: a Psicóloga Patricia, Lourdes Regina da Assistência Social, a enfermeira Alessandra e a Ana Maria técnica em enfermagem. O programa também contou com a presença de alunos e do docente do curso de medicina da USF, o Dr. José Ribamar Mendes.

 

 

 

A campanha foi lançada ano passado, pela comissão Intergestora Bipatite do Estado de São Paulo. No dia 26 de abril, foi realizado o evento Sífilis Congênita “Juntos podemos mudar esta realidade” no Espaço Hakka, destinado aos gestores e profissionais da saúde.

 

 

 

A prefeitura ofereceu ao público na manhã da última quinta-feira (27), um teste rápido no estande colocado na Praça da Bíblia das 7h às 17h.

 

 

 

Segundo os dados disponíveis no site da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, os números de casos continuam a crescer no país. Em 2015, foram notificados 19.228 casos de sífilis congênita em menores de 1 ano de idade, sendo 43% residente na região sudeste. No Estado de São Paulo, no mesmo ano, foram notificados 3.437 casos, que correspondeu a uma taxa de incidência de 5,4 por mil nascidos vivos.

 

 

 

 

O docente do curso de medicina da USF diz ser necessário reforçar e estabelecer medidas para combater a doença. As ações para eliminação da sífilis congênita encontram-se na atenção básica de saúde, na prevenção da sífilis em mulheres em idade fértil, em gestantes e nos parceiros sexuais, mediante o diagnóstico precoce, tratamento oportuno e adequado.

 

 

 

 

 

 
Da Redação com informações do DIMP/BP