Bragança Paulista – Política: Vereadoras estiveram na GCM de Bragança para se informarem sobre o funcionamento do projeto Guardiã Maria da Penha e conhecerem o aplicativo Botão do Pânico

Vereadoras estiveram na GCM de Bragança para se informarem sobre o funcionamento do projeto Guardiã Maria da Penha e conhecerem o aplicativo Botão do Pânico

 

Vereadoras de Bragança Paulista estiveram na última segunda-feira (22/7) na sede da Guarda Civil Municipal para conhecerem o aplicativo botão do pânico e terem informações sobre os resultados do projeto Guardiã Maria da Penha. As vereadoras foram recebidas pelo secretário Municipal de Segurança e Defesa Civil, Dorival Francisco Bertin, e as responsáveis pelo projeto as guardas civis municipais Carmelita de Jesus Valença e Karen Aparecida da Silva, que informaram que desde 2016 atenderam 1.044 casos de violência contra a mulher, sendo 300 só neste ano.

 

 

O projeto Guardiã Maria da Penha foi criado pelo Ministério Público de São Paulo, por meio do Gevid (Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica). Em Bragança Paulista, o projeto foi implementado em 2016. O aumento de casos atendidos estes ano é fruto da criação do agrupamento especializado, formado pelas GCMs Karen e Valença. Além das duas, a Guarda Civil Municipal de Bragança Paulista tem mais 39 guardas preparados para atuar em casos de violência contra a mulher.

 

 

 

O secretário Bertin e a GCMs Karen e Valença mostraram para as vereadoras que desde 2016 o projeto já atendeu 222 medidas protetivas, sendo 61 apenas em 2019. Destas, 30 ainda estão sendo acompanhadas. As medidas protetivas, geralmente, proíbem o agressor de se aproximar e/ou mandar mensagem, fazer ligação e manter contato com a vítima ou familiares.

 

 

O aplicativo que vai funcionar como botão do pânico servirá para que essas mulheres acionem imediatamente a GCM em caso do agressor descumprir a medida protetiva. O programa atualiza de 5 em 5 segundos, para que ao ser acionado, a Guarda tenha a localização exata da vítima. “A implementação do aplicativo será uma vitrine para o trabalho de redução da violência contra a mulher no município”, disse o secretário Bertin.

 

 

As GCMs Karen e Valença mostraram para as vereadoras também que desde a implementação do projeto Guardiã Maria da Penha em Bragança foram realizadas 1.010 visitas, sendo 373 em 2019. As prisões realizadas foram 29 por descumprimento de medida protetiva, sendo 13 neste ano. De janeiro a maio deste ano foram atendidas pela GCM 163 chamadas, sendo 37 flagrantes, entre agressões e descumprimento de medida protetiva.

 

 

“O trabalho desenvolvido pela Guarda Civil Municipal de Bragança Paulista no combate à violência contra a mulher é muito importante e de muita qualidade. Esta é uma das bandeiras do meu mandato, o combate à violência contra a mulher, e é bom saber que a Administração também esta empenhada nessa luta”, afirmou a presidente da Câmara.

 

 

Da Redação com informações provenientes do Departamento de Comunicação Institucional da Câmara Municipal de Bragança Paulista