Bragança Paulista – Política: Vereador Quique Brown aponta irregularidades e uso inadequado da Sala de Esportes Ary Ramos para alojamentos de seguranças particulares da Expoagro

Vereador Quique Brown aponta irregularidades e uso inadequado da Sala de Esportes Ary Ramos para alojamentos de seguranças particulares da Expoagro – Foto: Arquivo/Portal Bragança

 

O vereador Quique Brown questionou, na última terça-feira (10/4), a concessão por parte da Prefeitura para o uso da Sala de Esportes Ary Ramos como alojamento para empresa Gui Moron Eventos Eireli, responsável pela 53ª Expoagro de Bragança Paulista. O vereador considerou totalmente inadequado o espaço, além de criticar o fato dos valores ofertados na licitação incluírem a hospedagem e alimentação das equipes da festa.

 

 

 

“Muita gente questiona a Expoagro por não trazer recurso para cidade. Semana passada me deparei com uma portaria que autorizava a utilização da Sala de Esportes Ary Ramos pelos seguranças da festa. O que num primeiro momento achei muito estranho, por vários motivos. Primeiro porque a sala não tem a menor condição de ser usada como alojamento. Além disso, você tem que tirar várias pessoas que praticam atividades esportivas de lá durante a semana. O espaço não tem cama, não tem chuveiro, enfim, um desastre total”, pontuou.

 

 

 

 

O vereador questionou então a falta de investimentos no turismo e hotelaria do município. “Na hora de aquecer a economia da rede hoteleira de Bragança, dos chacareiros que alugam chácaras de final de semana, a Prefeitura se sujeita a oferecer próprio público para alojamento. Outra coisa que me causou muito estranhamento nessa situação é o seguinte: a empresa pagou cerca de R$ 10 mil reais para o uso do espaço, o que é muito pouco, se comparado ao que se pagaria se instalasse essas pessoas em um lugar decente, em situação confortável, digna. As outras empresas que participaram da licitação sabiam desse detalhe? Que a Prefeitura poderia oferecer a ‘preço de banana’ um espaço para montar um alojamento de qualquer jeito? Porque na hora de computar o preço, as empresas que estão concorrendo na licitação fazem essa conta”, indagou.

 

 

 

 

Assim que soube do fato, o vereador entrou em contato com a Administração, que prontamente buscou reverter a situação. “Não sei se vão devolver o dinheiro para empresa ou não, mas isso estava errado. Não é a primeira vez que eu faço um apontamento e a Prefeitura vai lá e tenta dar um jeito de solucionar o problema. A Expoagro é realizada com a justificativa de que movimenta a economia e a rede hoteleira da cidade, mas se o município oferece um próprio público está atuando como concorrente”, informou.

 

 

 

 

Quique também questionou a secretaria municipal de Cultura e Turismo sobre o processo de contratação de artistas para o Maio Cultural e outras atividades. “As compras diretas da secretaria tem ultrapassado em mais de R$ 100 mil o que não é permitido por lei. Até agora não vi nenhuma publicação na Imprensa Oficial sobre licitação para o Maio Cultura. Um processo de licitação não acontece do dia para noite”, questionou o vereador.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes do Departamento de Comunicação Institucional da Câmara Municipal de Bragança Paulista