Bragança Paulista – Política: A História de Bragança Paulista deve ser citada em Enredo de Escola de Samba e não em seu Hino Oficial, afirma atual administração.

 

 

 

Em nota à Redação do Portal Bragança, a respeito de matéria publicada em relação a escolha do hino oficial de Bragança Paulista, e a críticas realizada pela matéria, mais especificamente de não ter nenhum músico da cidade como julgador e  sobre a letra, que não cita nada sobre sua fundação e rica história do povo que a habita, a Divisão de Imprensa de Bragança Paulista, em nome da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, afirmou que este fato não é relevante, e deveria ser tratado em um enredo de escola de Samba.

 

Perplexos com as justificativas dadas em relação a reportagem publicada “Sem a participação Popular e com jurados não Bragantinos o Hino Oficial de Bragança Paulista é escolhido (imposto).

 

Quanto a história da cidade ser mencionada no hino cabe constar no edital e regulamento.  Quando temos uma participação com apelo popular? Na escolha de um samba enredo, dentro de um festival de música popular, entre outros eventos musicais do gênero.

 

Se para a atual administração a história do povo Bragantino só serve para enredo de escola de samba (fica a dica) fazer o quê, pois como  eles dizem: Eles tem a caneta (o poder), a qual deveria ser usada ouvindo a população.

 

 

Pelo motivo em garantir ainda mais a transparência da escolha optou se por não escolher moradores da cidade para que não houvesse qualquer possiblidade de  vínculos com os autores.

 

 

A não escolha de  músico Bragantino como jurado, foi justificado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Bragança Paulista, afirmando que este cidadão bragantino  poderia não ser tão imparcial, e escolher um Hino de  um amigo, ou seja chamou o morador nas entrelinhas de “não tão honesto”.

 

 

 

Confira a resposta dada pela Prefeitura de Bragança Paulista na íntegra.

 

 

Em resposta à demanda enviada, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo informa:
O Julgamento de um hino não se trata de um festival de música.
Quanto a história da cidade ser mencionada no hino cabe constar no edital e regulamento.  Quando temos uma participação com apelo popular? Na escolha de um samba enredo, dentro de um festival de música popular, entre outros eventos musicais do gênero.
Quando trata-se da escolha permanente e simbólica  de um hino para a cidade ou até mesmo uma instituição, partimos do pressuposto de um julgamento extremamente técnico onde cabe julgar além do regulamento a veracidade de um hino, como por exemplo: não haver erro de prosódia, não conter plágio, ser sensível as técnicas muito comum em composições, enfim, ter de fato um hino histórico.
As inscrições foram abertas e divulgadas ao público, mas a audição foi fechada ( com a presença dos concorrentes e imprensa ) para fiscalizarem a lisura do ato, porém a restrição do público foi demandada pela especificidade do ato, onde os hinos teriam que ser ouvidos quantas vezes fossem necessárias pela banca ( tanto que a avaliação se estendeu por 5h30, preservando o critério e a responsabilidade que o fato exige.
Os 11 inscritos tiveram suas músicas analisadas e já fazem parte da história da nossa cidade.
Pelo motivo em garantir ainda mais a transparência da escolha optou se por não escolher moradores da cidade para que não houvesse qualquer possiblidade de  vínculos com os autores.
Banca vinda da OSESP e BSESP foram selecionados pelo vasto e excelente currículo e não por região demográfica de suas residências.
A lisura na escolha do hino foi o fator primordial levado em conta nesse concurso.
Da Redação