Tecnologia: Sistema agroclimático Agritempo ganha versão para celular

 

Celulares e tablets podem acessar os serviços e recursos do Agritempo - Foto: Lilian Alves
Celulares e tablets podem acessar os serviços e recursos do Agritempo – Foto: Lilian Alves

 

Desde o preparo da terra até a colheita da safra, é importante saber quais são as condições climáticas e as previsões meteorológicas. Importante ferramenta para obtenção de dados climáticos, o Sistema de Monitoramento Agrometeorológico – Agritempo, disponível na internet, acaba de ganhar uma versão para dispositivos móveis. Desenvolvido para o sistema operacional Android pela Embrapa Informática Agropecuária (SP) e parceiros, o aplicativo é gratuito e encontra-se disponível para download. Os profissionais já trabalham no desenvolvimento de versão para o sistema iOS. Haverá uma demonstração pública do aplicativo no dia 27 de abril na 22ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola – Agrishow, em Ribeirão Preto (SP).


Ferramenta útil para o produtor rural, o Agritempo fornece informações importantes às atividades agrícolas como mapas de estiagem, chuvas, disponibilidade de água no solo, temperaturas máximas e mínimas e previsão do tempo. Esses dados são fornecidos por região ou estado e em tempo real. A nova versão vai levar mobilidade ao serviço que poderá ser acessado diretamente no campo. Outra característica da versão móvel são os dados associados à localização do usuário que é fornecida automaticamente pelo sistema de posicionamento global (GPS) do celular ou tablet.

 
Versão terá alerta de geadas

 
Também foram incorporadas legendas para os mapas de índice de seca, o que facilita a compreensão do usuário. Além disso, um ícone possibilita ver a descrição dos mapas de previsão e monitoramento com explicações que auxiliam o entendimento das informações disponíveis. Em breve, o aplicativo vai oferecer mapas temáticos para alertas específicos indicativos de previsão de geada, risco de pragas e doenças, época de início de safra, entre outras informações relevantes para o agronegócio brasileiro.

 
“A grande vantagem é que a informação chega onde o produtor está”, destaca o analista da Embrapa Informática Agropecuária Sílvio Evangelista, chefe interino de Pesquisa e Desenvolvimento da Unidade. “Então, quando o agricultor estiver trabalhando no campo, vai poder consultar dados de monitoramento e receber alertas pra tomar uma decisão mais rápida. Esse aplicativo permite atender de forma mais direcionada às necessidades específicas do nosso público, ou seja, com produtos de fácil acesso, regionalizados e sazonais”, conta Evangelista.

 
Cada vez mais suscetível aos fenômenos climáticos, a agricultura brasileira tem se diferenciado pela adoção de recursos tecnológicos. Em um cenário de restrição hídrica, por exemplo, torna-se primordial conhecer as condições de chuva e de disponibilidade de água no solo para qualquer atividade na lavoura. O acesso à informação permite que o produtor tome decisões com maior eficiência, seja para início do plantio, aplicação de um defensivo agrícola ou implantação de um sistema de irrigação. Com a popularização dos celulares no meio rural, cresce também a demanda por aplicativos que auxiliem o gerenciamento das atividades agrícolas.

 
Agritempo
 

O Sistema de Monitoramento Agrometeorológico Agritempo foi criado em 2002 como um serviço disponível na internet. Em 2014, foi aperfeiçoado, com a implantação de recursos como os mapas climáticos que, por meio de um sistema de informações geográficas na web (WebGIS), podem ser baixados pelo computador para a realização de análises específicas. O avanço das ferramentas computacionais levou à criação do aplicativo, tornando o sistema mais interativo e incorporando outras funcionalidades.

 

 
Para o produtor Douglas Amaral, de Lençóis Paulista (SP), que consulta o sistema diariamente pela internet para monitorar o cultivo irrigado da sua produção de banana, o Agritempo é um suporte importante. “São tempos desafiadores em que a gente precisa produzir mais com menos e a informação é essencial hoje no meio rural”, afirma. Ele acredita que a ferramenta supre, principalmente, as necessidades daqueles pequenos produtores que não conseguem contratar os serviços meteorológicos pagos. “Na atividade de campo, precisamos cada vez mais colocar em nosso planejamento as informações meteorológicas”, diz.

 
Se o pequeno produtor começar a usar esse tipo de informação ele vai se beneficiar, pois isso vai trazer produtividade e mais segurança de ação em relação à tomada de decisão no campo, de acordo com Amaral. “Antes de conhecer o sistema Agritempo, passei por situações em que planejei um tratamento fitossanitário, fiz e estava perfeito, só que, no final da tarde, choveu e eu perdi tudo [o produto químico] que utilizei na cultura. Choveu e lavou, e foi preciso repetir o procedimento no outro dia. Esse custo poderia ter sido evitado [com a previsão do tempo]”, lamenta.

 
A ferramenta é importante também para a extensão rural, de acordo com José Augusto Maiorano, diretor do Escritório de Desenvolvimento Rural de Campinas da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati). “Serve de base de dados para podermos passar para o produtor e também para estudos e planejamento de cadeias produtivas, pois ajuda a identificar se determinada cultura vai bem naquela região, quais condições climáticas exige, por exemplo”, complementa. Com essas indicações, a ferramenta ainda auxilia a implantar novas culturas, uma vez que orienta sobre as condições mais adequadas para o cultivo.

 
Desenvolvido em rede

 
O Agritempo foi desenvolvido por intermédio de uma parceria entre a Embrapa Informática Agropecuária e o Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura da Universidade Estadual de Campinas (Cepagri/Unicamp) e inclui a participação de vários centros de pesquisa da Embrapa. Para construir sua base de dados foi formada uma rede envolvendo cerca de 40 organizações parceiras. O sistema organiza e administra dados de um conjunto de mais de 1.400 estações meteorológicas distribuídas pelo País e possui mais de 60 milhões de registros diários com dados de monitoramento e previsão, como temperatura mínima, máxima e chuva.

 
Também apoia o Zoneamento Agrícola de Risco Climático, instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e validado pela Embrapa. O zoneamento informa ao produtor rural qual a melhor época de plantio das culturas, nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares para todos os municípios brasileiros, orientando a produção e reduzindo perdas agrícolas.

 
Pela internet, é possível ter acesso a mapas de monitoramento de precipitação e estiagem, por exemplo, mapas de previsões sobre condições para colheita e manejo de solo, tratamento fitossanitário, entre outros. A atualização dos dados meteorológicos é feita duas vezes ao dia e, além de buscar informações, é possível gerar mapas, baixar boletins regionais e encontrar rede de estações meteorológicas em todo o País.
 

 

O sistema reúne vários dados climáticos e de estações meteorológicas nacionais, além de mapas e séries históricas que ajudam o Ministério da Agricultura no estabelecimento de políticas mais eficientes com relação ao risco climático da agricultura brasileira. “Não é só uma informação; existem várias bases dentro do Agritempo. Então você consegue, num sistema único, ver precipitação, temperatura, boletins regionais, estações meteorológicas. É uma plataforma que engloba vários itens”, ressalta Raissa de Almeida Papa, coordenadora técnica do zoneamento agropecuário do Departamento de Gestão de Risco Rural do Mapa.

 
A tecnologia oferece informações que atendem a produtores, técnicos e agentes de extensão rural, cooperativas, representantes de empresas privadas, governos, universidades e instituições de pesquisa nacionais e internacionais. Por isso, o conteúdo é apresentado em inglês e espanhol para quem consulta o site do exterior. A equipe da Embrapa já capacitou e orientou técnicos do Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia do Peru (SENAMHI) para a implantação de um sistema semelhante naquele país.

 
Além disso, é uma ferramenta útil para a realização de estudos técnicos e pesquisas acadêmicas. A pesquisadora Margarete Marin Lordelo Volpato, da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), desenvolve estudos relacionados ao uso de geotecnologias para a cafeicultura, com foco especial no monitoramento agrometeorológico. Ela usa o Agritempo principalmente para consultar os dados de temperatura de precipitação de municípios de Minas Gerais que ajudam a monitorar as áreas cafeeiras e a avaliar a relação com a produção e a qualidade da bebida café. Para Margarete, a principal vantagem é o acesso fácil e imediato aos dados, o que permite uma análise mais rápida das informações contidas no sistema.

 
Para baixar o aplicativo

 
Serviço:
Demonstração do aplicativo Agritempo no Agrishow 2015
Data: 27 de abril, às 14 horas
Endereço: Rodovia Antonio Duarte Nogueira, Km 321, Ribeirão Preto (SP)

 

Da redação de Nadir Rodrigues – Embrapa Informática Agropecuária