Saúde: Farmanguinhos comemorou trinta e nove anos de produção

Farmanguinhos é o maior laboratório farmacêutico oficial vinculado ao Ministério da Saúde (Foto: Peter Ilicciev)
Farmanguinhos é o maior laboratório farmacêutico oficial vinculado ao Ministério da Saúde (Foto: Peter Ilicciev)

 

 

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) foi criado em 23 de abril de 1976. Desde então, não parou de exercer papel de destaque em pesquisa, desenvolvimento e produção de medicamentos essenciais para a população brasileira. Atualmente, além de parcerias com os setores público e privado nacionais, Farmanguinhos tem acordos de transferência de tecnologia com países da África, Ásia e da Europa.

 

Ao longo de sua história, Farmanguinhos produziu um total de quase 20 bilhões de unidades farmacêuticas. Até 31 de dezembro de 2014, o Instituto atingiu precisamente a marca de 19.043.745.970 unidades produzidas. Nesses 39 anos de atividade ininterrupta, várias foram as mudanças no perfil de medicamentos da unidade, englobando dezenas de categorias, de acordo com as necessidades da população brasileira.

 

 

Sulfato ferroso foi o primeiro medicamento a ser produzido por Farmanguinhos, em 1979. Na ocasião, a planta industrial estava situada no campus de Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro. Mais de uma década após o início da fabricação, a unidade desconhecia como comprimir o produto. A presença deste medicamento é tão significativa para a história de Farmanguinhos que o sanitarista Sérgio Arouca, quando presidiu a Fiocruz (1985-89), denominava a unidade de “padaria do sulfato ferroso”.

 

 

Atualmente, Farmanguinhos desenvolve pesquisas sobre fármacos e produz medicamentos, e também é um dos principais atores na condução de políticas públicas para a recuperação da indústria farmoquímica nacional, por meio de Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDP). Além de fortalecer este segmento, Farmanguinhos nacionaliza a tecnologia de medicamentos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS), como antirretrovirais, oncológicos, imunossupressores, antiasmáticos, hipoglicemiantes, dentre outros.

 

 

Confira aqui a linha cronológica que mostra a evolução da unidade, tanto em números, quanto em qualidade, entre 1976 e 2000.

 

 

Fonte: Ascom Farmanguinhos