Tecnologia: O último eclipse solar total dos próximos 11 anos é na sexta-feira – 20/03/15

Eclipse solar
Superlua ocorre quando há alinhamento entre o Sol, a Terra e a Lua, com a Lua mais próxima da Terra Marcello Casal Jr/Agência Brasil

 

O único eclipse solar total de 2015 poderá ser visto nesta sexta-feira (20) em países do Hemisfério Norte. Mais dois fenômenos astronômicos ocorrem no mesmo dia: o equinócio, quando o dia e a noite têm exatamente a mesma duração (12 horas), e a superlua.

 

 

O equinócio desta sexta-feira, que marca a chegada do outono no Hemisfério Sul, ocorrerá às 19h45, horário de Brasília, segundo o Observatório Nacional. O fim da estação será em 21 de junho, quando começa o inverno. O alinhamento entre Sol, Terra e Lua, com a Lua mais próxima da Terra, vai resultar no fenômeno conhecido como superlua.

 

 

No Hemisfério Norte, a sombra da Lua, durante o eclipse, vai passar sobre o Atlântico Norte e o Oceano Ártico, começando na Groenlândia e indo até a Islândia e o Reino Unido. Em seguida, segue pelas Ilhas Faroe, na Noruega, e termina no Polo Norte. Quem estiver nas outras partes do mundo, pode acompanhar o fenômeno ao vivo pelo site slooh.com, a partir das 5h30, no horário de Brasília.

 

 

Segundo os especialistas, entre as 9h00 e as 12h00, vários países poderão registar uma quebra de 35.000 megawatts, provenientes das centrais solares, o que corresponde a cerca de 10% do consumo energético europeu.

 

 

 

Os responsáveis pelas empresas europeias lançaram já um plano de ação para evitar um “apagão”, nomeadamente com o aumento da produção de energia para compensar a quebra de sexta-feira.

 

 

 

O astrônomo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Daniel Mello explicou que um eclipse ocorre quando há bloqueio da luz solar devido à passagem da Lua exatamente em frente ao disco do Sol, projetando a sombra na superfície da Terra. “Como a Lua está um pouco distante da Terra, a projeção da sombra não é tão extensa e fica muito localizada em algumas regiões do planeta”, disse.

 

 

 

O eclipse total da lua ocorre quando a Terra fica entre a Lua e o Sol. Nesse momento, a Lua entra na sombra da Terra e fica total ou parcialmente invisível durante alguns minutos.

 

 

 

Segundo Mello, o eclipse solar, como o que ocorre amanhã, é mais raro que os demais. “Para que haja eclipse total, o disco da Lua tem que passar exatamente pelo disco solar. Quando é parcial, o disco da Lua passa um pouco acima ou abaixo.”

 

 

 

Pelos dados da Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, o próximo eclipse solar total está previsto para 9 de março de 2016, nas regiões da Ásia, da Austrália e do Pacifico. A Nasa elaborou um estudo com a previsão dos próximos eclipses até 2100. Os interessados em obter mais informações devem acessar o site da agência.

 

 

 

Os astrônomos recomendam a utilização de equipamento especial para poder observar o fenômeno, que só voltará a ocorrer na Europa dentro de 11 anos.

 

 

Para evitar danos graves na retina, deverão ser utilizados telescópios com lentes especiais para observar os eclipses.

 

 

 

Na ausência deste tipo de equipamento os cientistas aconselham a observar o fenômeno por projeção e não diretamente, por exemplo, através de um furo numa cartolina negra, projetado sobre uma superfície branca.

 

 

No Brasil, deve ocorrer um eclipse lunar total em 27 de setembro deste ano.

 

 

Da Redação com informações da EBC e Euronews