Política: Psol perde prerrogativas na Câmara Federal com expulsão de Daciolo

PSOL
PSOL

 

 

A expulsão do deputado Cabo Daciolo dos quadros do Psol fez a bancada do partido diminuir de cinco para quatro deputados. A diminuição não é apenas numérica. O partido perde prerrogativas na Câmara, como o direito à liderança. Sem liderança, o representante do partido só pode falar no Plenário uma vez por semana, durante cinco minutos. Com a liderança, podia falar três minutos por sessão. Agora, o partido também não pode mais apresentar destaques de bancada aos projetos em tramitação.

 

 

O deputado Chico Alencar, do Rio de Janeiro, afirma que a relação do partido com o deputado é boa e que a expulsão foi uma derrota para os dois lados, mas o fato representa uma necessidade de manter a coerência do partido. Ele explica que um dos motivos da expulsão foi a apresentação da PEC 12/2015, que busca mudar o parágrafo do Artigo 1º da Constituição, de modo que o texto passaria a ser “Todo o poder emana de Deus, que o exerce de forma direta e também por meio do povo e de seus representantes eleitos, nos termos desta Constituição”.

 

 

 

“É bom lembrar que o partido, em nenhum momento, coloca em questão o credo do deputado ou de quem quer que seja. Mas não aceitamos nessa defesa da liberdade religiosa plena, do direito de crença e de não crença, que quem exerça o mandato público pelo Psol possa querer impor a sua concepção, a sua crença religiosa, a quem quer que seja, além do mais mudando o texto da Constituição brasileira.”

 

 

 

Já o deputado Cabo Daciolo segue seu mandato sem partido. Ele ainda não decidiu se vai recorrer da decisão do Psol.

 

 

 

 

“Eu não posso mudar o que eu sou. Todos sempre souberam que eu falo de Deus, que eu defendo os militares e eu coloquei uma PEC, e essa PEC diz que todo poder emana de Deus e também através do povo. E por essa motivação e uma outra, que é a defesa de militares do caso do pedreiro Amarildo. São 12 militares que estão presos, com prisão preventiva há um ano e sete meses e eu estou cobrando a definição do caso e ninguém pode ser tido como culpado sem antes ser tramitado em julgado uma sentença condenatória, e, por ter feito essa defesa, eu fui expulso do Psol. Eu fico triste.”

 

 

 

Como a distribuição dos deputados por comissões segue a proporção partidária, o deputado poderia perder suas vagas nas comissões, mas isso não vai ocorrer porque o Psol não deve requerer as vagas a que tem direito. Cabo Daciolo é integrante titular das comissões de Integração Nacional, e de Segurança Pública.

 

 

 

 
Da Redação com informações da Rádio Câmara