Política: Presidente da Câmara Federal nega autoria de requerimentos em 2011 para investigar a empresa Mitsui que se recusou a continuar a pagar propina à Petrobras

 

Eduardo Cunha: fatiamento da reforma política prejudica a votação, e pode ser que não se vote nada; é melhor votar destaques à proposta principal. - Foto: J. Batista/Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara Eduardo Cunha. – Foto: J. Batista/Câmara dos Deputados

 

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, voltou a negar hoje em duas entrevistas que tenha sido o autor dos dois requerimentos para investigar a empresa Mitsui — supostamente em retaliação à empresa, que teria se recusado a continuar pagando propinas a diretores da Petrobras, segundo depoimento feito em delação premiada do doleiro Alberto Youssef . Os requerimentos pediam informações ao Tribunal de Contas da União e ao Ministério de Minas e Energia sobre contratos entre a Mitsui e a Petrobras.

 

Cunha está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal por supostamente ter se beneficiado pelo pagamento de propinas à estatal. Ele nega as acusações.

 

 

 

Os dois requerimentos foram protocolados em 2011 pela ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), do mesmo partido e estado do presidente. Porém, reportagem da Folha de S. Paulo de hoje afirma que o jornal detectou, no sistema oficial da Câmara, que o presidente da Câmara aparece nos registros da Casa como ‘autor’ dos arquivos nos quais foram redigidos os requerimentos assinados por Solange.

 

 

O presidente afirma que Solange Almeida, por ser suplente, teria usado computador de seu gabinete para redigir os requerimentos, o que gerou a confusão sobre a autoria do documento. Porém, a autenticação dos requerimentos foi feita no gabinete dela, segundo aponta o sistema da Câmara. “A autenticação é do gabinete da deputada. Não tem autenticação do meu gabinete. Se, eventualmente, usou a minha assessoria, como vários parlamentares usam, porque eu era coordenador da bancada do Rio, isso é outra coisa. Minha equipe técnica ajudava todos os deputados”, explicou.

 

 

Em depoimento à Polícia Federal, Solange Almeida manteve a mesma versão de Eduardo Cunha, isentando o presidente. “Ela já depôs, já negou. Estão fazendo uma fumaça onde não existe”, completou Cunha.

 

 

Da Redação com informações da Agência Câmara Notícias