Política: CPI da Petrobras ouvirá cinco depoimentos nesta terça (28)

A reunião desta terça-feira da CPI da Petrobras aprovou 100 requerimentos, entre convocações e pedidos de documentos a diversos órgãos. - Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados
A reunião da CPI da Petrobras . – Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados

 

 

A CPI da Petrobras terá uma verdadeira maratona de depoimentos nesta terça (28). Os deputados vão ouvir cinco pessoas. Duas delas ligadas ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, o Comperj: o ex-presidente Nilo Carvalho Vieira Filho e o ex-gerente Jansen Ferreira da Silva.

 

O custo do Comperj, estimado em 47 bilhões de dólares, foi questionado pelo Tribunal de Contas da União. Além disso, dois delatores da Operação Lava Jato, os empresários Júlio Camargo e Augusto Mendonça, da Setal Óleo e Gás, disseram que houve pagamento de propina na obra para os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Renato Duque e para o ex-gerente de Tecnologia Pedro Barusco.

 

 

 

A CPI vai ouvir ainda o ex-integrante do Comitê de Auditoria da Petrobras Mauro Cunha, que era representante dos acionistas minoritários da estatal e saiu depois de reclamar publicamente da escolha do novo presidente da empresa, Aldemir Bendine.

 

 

 

Além deles, vão prestar depoimento à CPI o ex-gerente jurídico da Petrobras Fernando de Castro Sá; e o gerente-executivo de Engenharia para Empreendimentos de Abastecimento da estatal, Maurício de Oliveira Guedes.

 

 

Os depoimentos foram pedidos por um dos sub-relatores da CPI, deputado Altineu Côrtes, do PR do Rio de Janeiro. Segundo ele, todos têm conhecimento a respeito dos procedimentos internos da empresa.

 

 

 

“Nós também vamos ouvir o Maurício Guedes, ex-gerente executivo, uma pessoa que foi citada nessa questão da Operação Lava Jato. Ele tem um papel importante porque ele ocupou uma função de gerente executivo. Ele sabe tudo sobre o que aconteceu ali.”

 

 

Nesta segunda, os membros da CPI se reuniram com a diretoria da Petrobras na sede da empresa, no Rio de Janeiro. A reunião tinha sido marcada com o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, que não pôde comparecer por motivos familiares. No encontro, os diretores explicaram o balanço da empresa, divulgado na semana passada com a estimativa de que a Petrobras perdeu R$ 6 bilhões com o esquema de corrupção. Eles também mostraram o que a Petrobras está fazendo para que isso não se repita. Os deputados saíram satisfeitos do encontro, como conta o sub-relator Altineu Côrtes.

 

 

 

“A Petrobras está atendendo a CPI em todas as solicitações de documentos, enfim, a Petrobras demonstrou ali, hoje, completamente solícita a atender tudo o que a CPI precisa.”

 

 

 

A CPI da Petrobras deve marcar nesta semana as datas dos depoimentos dos acusados da Operação Lava Jato que estão presos em Curitiba, no Paraná.

 

 
Com informações da Rádio Câmara