Nacional: Corredor Dom Pedro tem menor índice de acidentes desde o início da concessão

No primeiro trimestre do ano, foram 558 ocorrências, média mensal 37% menor do que no mesmo período de 2010
No primeiro trimestre do ano, foram 558 ocorrências, média mensal 37% menor do que no mesmo período de 2010 – Rota das Bandeiras

 

A Concessionária Rota das Bandeiras registrou no primeiro trimestre deste ano seu melhor desempenho em números de acidentes desde que assumiu o Corredor Dom Pedro, em 2009. Houve queda nos índices de todas as estatísticas em comparação ao mesmo período dos anos anteriores. De janeiro a março, foram 558 acidentes, com 205 vítimas, sendo 56 graves e sete fatais.

 

 

 

A queda no número de mortes é a mais significativa. No mesmo período do ano passado, foram 13 ocorrências, praticamente o dobro. Na ocasião, foram ainda 65 feridos graves e um total de 245 vítimas, de 563 acidentes.

 

 

 

No primeiro trimestre de 2010, primeiro do Corredor Dom Pedro sob concessão, foram 17 vítimas fatais e 884 acidentes, o que representava uma média de 294 ocorrências mensais. Em 2015, esta média foi reduzida para 186. A queda é de 37%.

 

 

 

A melhora nos índices é fruto dos investimentos contínuos feitos pela Rota das Bandeiras no período. Duplicação de rodovias; remodelação de trevos; instalação de dispositivos de segurança como novas passarelas, barreiras de concreto, defensas metálicas e telas de proteção; e agilidade no atendimento são algumas das medidas que contribuíram para esta redução. A mudança do comportamento de motoristas e pedestres também é primordial. Por isso, a Rota das Bandeiras possui programas de responsabilidade social e conscientização desenvolvidos com os usuários das rodovias e com a população das 17 cidades do Corredor Dom Pedro.

 

 

 

Na hora da prestação de serviços, uma moderna frota faz o atendimento de forma rápida e eficiente. As 73 câmeras espalhadas pelos 297 km de rodovias garantem o monitoramento online de tudo o que ocorre nas cinco rodovias e os postos do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) têm a infraestrutura necessária para que o motorista descanse antes de prosseguir viagem.

 

 

 

“A queda sistemática destes índices é o que norteia nossas ações desde o início. Trabalhamos para que estes números sejam ainda menores nos próximos anos porque o sentido de nosso trabalho é cuidar da vida das pessoas que trafegam por nossas rodovias”, destaca o diretor-presidente da Rota das Bandeiras, Júlio Perdigão.

 

 

 

Da Redação com informações da Rota das Bandeiras