Nacional: Após tornado a Defesa Civil de Santa Catarina cobra de empresa responsável agilidade no retorno das atividades do radar meteorológicodo estado.

 

Radar Meteorológico
Radar Meteorológico

 

Em reunião com a empresa Simtech, que representa no Brasil a fabricante do radar meteorológico de Lontras, Enterprise Eletronic Corporation, foi tratado de assuntos referentes aos danos ocasionados no equipamento. O secretário de Estado da Defesa Civil, Milton Hobus, solicitou um posicionamento sobre a chegada das peças fabricadas nos Estados Unidos que vão substituir as que apresentaram defeito. “Precisamos desse equipamento funcionando. É uma ferramenta importante para o trabalho no Estado”, enfatizou.

 

Os profissionais que se reuniram com a Defesa Civil reafirmaram o compromisso de que as peças chegam na fábrica, no Alabama (EUA), até o dia 24. Uma bateria de testes será feita lá para evitar danos semelhantes e para checar se estão dentro das conformidades para o envio. A previsão é que semana que vem esses componentes eletrônicos sejam despachados para o Brasil. O transporte será aéreo.

 

 

Conforme o gerente de Monitoramento e Alerta, Frederico Rudorff, em até quatro dias os materiais devem estar em território nacional. “No entanto, a preocupação é com o desembaraço aduaneiro, que leva um pouco mais tempo”, destacou.

 

 

Após a liberação por parte da Receita Federal, a montagem pode levar em torno de dois dias, atendendo ao prazo estimado pela Defesa Civil de Santa Catarina. Um período de testes será realizado em Santa Catarina. Também será organizada uma fase de operação assistida por mais 30 dias, após a montagem.

 

 

Por causa do tornado e dos vendavais que atingiram o Oeste, surgiram questionamentos sobre a eficácia do radar meteorológico. O gerente de monitoramento e alerta destacou que há uma distância superior à área de cobertura, entre o ponto afetado e local do radar meteorológico de Lontras. Rudorff afirmou que o equipamento mais indicado para captar esse fenômeno seria o de Cascavel, no Paraná. “É extremamente difícil de prever um tornado. Fazer uma previsão de tornado é complicado. Os Estados Unidos que têm equipes destinadas somente para isso têm dificuldades,” ressaltou.

 

 

Frederico ainda confirmou que o radar e a estrutura que o Estado possui hoje possibilita a detecção de grandes tempestades. Diante disso, reforçou que mesmo que o radar de Lontras registrasse um fenômeno como esse, seria em curtíssimo prazo, cerca de 10 ou 15 minutos.

 

 

Da Redação com informações Paulo Cesar Santos
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Defesa Civil