Economia: Saiba como a imprensa americana e européia comentaram a publicação de balanço da Petrobras

FOTO AGÊNCIA PETROBRAS
Petrobras – FOTO AGÊNCIA PETROBRAS

 

 

O tão esperado balanço auditado da Petrobras de 2014, publicado nesta quarta-feira (22) com cinco meses de atraso, foi analisado hoje pelos principais jornais da Europa e dos Estados Unidos. O diário francês Les Echos afirma que “mesmo com as fortes perdas anunciadas e o elevado endividamento da companhia, a Petrobras tenta enviar aos mercados uma imagem renovada”.

 

Na Espanha, o diário El País afirma que o documento traz um dado revelador: o escândalo de corrupção denunciado pela Operação Lava Jato custou R$ 6,2 bilhões aos cofres da empresa, o equivalente a € 1,8 bilhão na moeda única europeia e US$ 2 bilhões em moeda americana. El País nota que, pela primeira vez, os novos dirigentes da empresa quantificaram “o imenso prejuízo acumulado pela maior empresa da América Latina”. “Ao fazê-lo, o novo presidente da companhia, Aldemir Bendine, até fevereiro presidente do Banco do Brasil, traça uma linha divisória com o passado”, escreve o diário espanhol, ressaltando a frase em que ele afirma que a nova direção “está passando todas as práticas a limpo”.

 

 

El País acrescenta que o balanço traz outras cifras além do dinheiro “volatilizado em subornos”. O documento aponta que a empresa teve prejuízo de R$ 21,58 bilhões em 2014, contra um lucro de R$ 23 bilhões em 2013. Trata-se do primeiro prejuízo anual desde 1991.

 

 

O diário britânico Financial Times disse que a publicação do balanço “aliviou o medo de que a companhia petrolífera mais endividada do mundo poderia dar um calote”.

 

 

O Wall Street Journal, nos Estados Unidos, escreveu que a Petrobras “finalmente colocou uma etiqueta de preço no escândalo de corrupção”.

 

 

Para o New York Times, o balanço foi o primeiro passo para a Petrobras tentar reconquistar a confiança dos investidores e “o acesso ao crédito internacional de que ela tanto precisa”.

 

 

Da Redação com informações de Agências Internacionais e da RFI