Economia: Energia vai continuar cara este ano, diz ex-presidente da Eletrobras

Energia Elétrica
Energia Elétrica

 

 

Este ano o país terá um período difícil e vai ser obrigado a pagar um preço alto pela energia que consume. O nível dos reservatórios continua abaixo do desejado, com apenas cerca de 30% de sua capacidade, o que é muito pouco para esta época do ano, quando deveria estar acima dos 50%, disse o diretor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), Luiz Pinguelli Rosa.

 

Pinguelli participou nesta terça-feira (28), no Rio, do 3º Congresso Brasileiro de CO², organizado pelo Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP), no Rio de Janeiro. O encontro tem como tema Desafios e Estratégias do CO² no Cenário Brasileiro e Mundial.

 

 

Para o ex-presidente da Eletrobrás, houve problemas de gestão na questão da administração da crise hídrica e, por isso, os reservatórios encontram-se bem abaixo do desejado para esta época do ano. Ele considera que não há alternativa para 2015. As térmicas vão continuar operando na base ao longo do ano porque o governo demorou muito para colocá-las em operação. “Se tivéssemos ligado as térmicas dois anos antes, poderíamos estar usando melhor as usinas nestes últimos meses, e ainda teríamos os reservatórios em melhores condições.”

 

 

 

A situação é ainda mais complexa do ponto de vista climático, porque há uma tendência do crescimento do consumo de energia decorrente do aumento de renda da população, o que faz aumentar também a emissão de CO². “Temos que dar mais atenção ao setor de energia e estamos um pouco na contramão, porque a hidroeletricidade não é suficiente [para atender à demanda], e a complementação térmica tem crescido muito com a utilização de usinas que não são eficientes.”

 

 

 

Segundo o diretor da Coppe, além das usinas térmicas serem usadas na base quase permanentemente, há o agravante do erro na política de preço da gasolina, que afetou o setor de biocombustíveis. O etanol foi deixado um pouco de lado no mercado de combustíveis, o que contribuiu para o aumento da emissão de gás carbônico. Para Pinguelli, não há como resolver o problema de aumento da emissão de CO² que vem ocorrendo nos últimos dois anos, porque o país precisa continuar usando as usinas térmicas operando na base.

 

 

 

“Geramos muita termoeletricidade. A emissão [de CO²] aumentou nos últimos dois anos porque usamos usinas a óleo diesel. gás natural, combustível e carvão vegetal, que tomaram parte do espaço da hidro [água]. O Brasil gerava 80% de sua energia a partir da hidro e hoje gera apenas 70%. Aliada a isso, a política do preço da gasolina tornou o produto mais barato e o consumidor acabou abandonando o carro flex, o que aumentou o nível de emissão em cerca de 20% nos últimos dois anos”, afirmou o professor.

 

 

 

Da Redação com informações da EBC